Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1753
Título: Efeito do fenótipo cintura hipertrigliceridêmica sobre hiperuricemia em homens não diabéticos provenientes de região em transição nutricional
Autor(es): Ferreira da Silva Araújo, Tiago
Palavras-chave: Obesidade Abdominal; Hipertrigliceridemia; Fenótipo Cintura Hipertrigliceridêmica; Hiperuricemia; Homens em Transição Nutricional
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Ferreira da Silva Araújo, Tiago; Lúcia de Menezes lima, Vera. Efeito do fenótipo cintura hipertrigliceridêmica sobre hiperuricemia em homens não diabéticos provenientes de região em transição nutricional. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Fisiologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: O tipo de obesidade mais relacionado com doenças cardiovasculares ateroscleróticas (DCVA) é denominado de obesidade abdominal (OA), típica do sexo masculino e de alta prevalência em países em transição nutricional. O tecido adiposo abdominal é metabolicamente mais ativo e pode ocasionar hipertrigliceridemia (HTG). Quando ocorre a presença destes dois distúrbios em um mesmo indivíduo, denomina-se de fenótipo cintura hipertrigliceridêmica, que pode estar relacionado a anormalidades metabólicas que contribuem no processo fisiopatológico de DCVA, como, por exemplo, a hiperuricemia. Então, foram objetivos deste estudo avaliar os efeitos isolado e associado de obesidade abdominal e hipertrigliceridemia sobre hiperuricemia, além de obter pontos de corte de circunferência abdominal e de triglicerídios apropriados para a sua identificação, na população masculina não diabética da Região Nordeste do Brasil, uma das últimas que se encontra em transição nutricional no país. Análises bioquímicas de níveis séricos de ácido úrico, triglicerídios, colesterol total, HDL-colesterol, LDL-colesterol, VLDL-colesterol, glicemia e insulinemia foram realizadas em amostras de 3.620 indivíduos. Circunferência abdominal, índice de massa corpórea e níveis pressóricos foram aferidos. OA, HTG e o fenótipo cintura hipertrigliceridêmica foram investigados de acordo com Lemieux et al. (2000) e segundo os pontos de corte encontrados na população deste estudo. Modelo Homeostático de Acesso à Resistência Insulínica (HOMA-RI) foi determinado. A presença de tabagismo, etilismo e sedentarismo também foi investigada em todos os indivíduos. Escore de Risco de Framingham (ERF) foi determinado e utilizado para identificação de alto risco de infarto do miocárdio e morte em 10 anos. Prevalências, testes de regressão logística, com ajuste para variáveis de confusão, e de correlação foram analisados. Curvas ROC (do inglês, Receiver Operating Characteristics Curve) foram construídas para a determinação dos pontos de corte mais adequados. O nível de significância (p) adotado foi inferior a 0,05. A prevalência de OA foi de 58%; de HTG, 27,1%; do fenótipo cintura hipertrigliceridêmica, 22,1%; e de hiperuricemia, 11,1%. Foi encontrada uma associação de 3,7 e 2,8 vezes, respectivamente, de OA isolada e HTG isolada com hiperuricemia (p<0,0001), enquanto que o fenótipo cintura hipertrigliceridêmica apresentou razão de chance igual a 4,3 (p<0,0001). Os melhores pontos de corte para predizer hiperuricemia foram 91 cm de circunferência abdominal e 1,73 mmol/L de triglicerídios e as áreas sob a curva (AUC) foram, respectivamente, iguais a 0,715 (p=0,0001) e 0,719 (p=0,0002). A nova razão de chance de obesidade abdominal para hiperuricemia, com o ponto de corte de 91cm, aumentou para 4,9; a de hipertrigliceridemia aumentou para 5,8; e a nova razão de chance de cintura hipertrigliceridêmica foi igual a 7,3. Hiperuricemia apresentou uma razão de chance de 3,5 (p<0,0001) para alto risco de infarto do miocárdio e morte em 10 anos. Os resultados sugerem que esses distúrbios são de alta prevalência na população masculina do Nordeste do Brasil e que estão fortemente associados entre si, principalmente quando se adota pontos de corte de maior sensibilidade e especificidade. O aumento significativo da relação entre HTG e hiperuricemia pareceu ser o fator causal principal para a elevação da contribuição do fenótipo cintura hipertrigliceridêmica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1753
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3134_1.pdf1,61 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.