Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17525
Título: Prevalência da Colonização Nasal por Staphylococcus aureus Resistente à Meticialina em Pacientes Ambulatorias Vivendo com HIV/aids de Hospital Terciário no Estado de PERNAMBUCO-BRASIL
Autor(es): SOARES, Cynthia Regina Pedrosa
Palavras-chave: Staphylococcus aureus; MRSA; CA-MRSA; HIV; PVHA; mecA; Staphylococcus aureus; MRSA; CA-MRSA; HIV; PVHA; mecA
Data do documento: 29-Fev-2016
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Staphylococcus aureus é um dos microrganismos mais comuns em infecções patogênicas no mundo, tornando-se de grande importância hospitalar e comunitária. Pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA) são mais susceptíveis de serem colonizados por Staphylococcus aureus resistente á meticilina (MRSA). S. aureus pode adquirir resistência a antimicrobianos, devido à presença de genes de vários tipos contidos no cassete cromossômico estafilocócico - mec (SCCmec) conferindo resistência a diversos antibióticos. A investigação da colonização por MRSA foi realizada através do isolamento de amostras oriundas de secreção nasal e posteriormente screening de oxacilina combinado a reação de PCR convencional para investigação do gene mecA. Foram entrevistados no estudo 500 PVHA ambulatoriais do hospital terciário. Aproximadamente 95% fazia uso de terapia antirretroviral, sendo que 89,3% destes apresentavam contagem de células CD4 >200 e 73,4% com carga viral ≤100 cópias. A maioria foi do sexo masculino (64,4%), com média etária de 41,5 anos e se declararam de cor parda (54,7%). Exposição a antimicrobianos nos últimos 12 meses foi encontrado em 27,4% dos indivíduos e 25,1% relataram uso de drogas ilícitas ao menos uma vez na vida. Colonização nasal por S. aureus foi encontrada em 31,4% (157/500) da totalidade dos indivíduos estudados, nos quais, 14% (22/157) foram MRSA. A colonização foi maior nos indivíduos acima de 40 anos, entre os que relataram uso de drogas ilícitas ao menos uma vez na vida, nos que não havia registro de exposição prévia a antimicrobianos nos últimos 12 meses, porém, não foi encontrada nenhuma associação de MRSA com as variáveis estudadas. A colonização de MRSA, embora alta, não foi associado com as variáveis estudadas para fator de risco em PVHA. O perfil antimicrobiano mostra alta resistência aos antibióticos mais utilizados para profilaxia e tratamento por infecções bacterianas. Esse estudo pode contribuir para orientar na vigilância e conduta terapêutica entre as PVHA.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17525
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Mestrado fase final defendido 3 versão digital.pdf1,34 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons