Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17368
Título: Corpos em trânsitos, transes e tranças: Produções de corporalidades por/com mulheres trans
Autor(es): VASCONCELOS, Thaíssa Machado
Palavras-chave: Corporalidades; Travestis; Transexuais; Psicologia Social; Corporeality; Transvestites; Transsexuals; Social Psychology
Data do documento: 23-Fev-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Os investimentos científicos e políticos que lançam olhares sobre as mulheres trans apareceram no Brasil, de forma mais expressiva, a partir da década de 1990. Este interesse foi impulsionado por transformações culturais e políticas (nos movimentos sociais, na academia e no campo da gestão pública), que possibilitaram o reconhecimento de travestis e transexuais como sujeitos políticos, propondo novos desafios e a visibilidade/produção de demandas. Questões relacionadas ao corpo aparecem como relevantes nos estudos e pesquisas produzidas, apontando interfaces entre as transformações corporais e o bem estar, saúde, felicidade, direitos civis. Problematizamos nesta dissertação como mulheres trans produzem corporalidades femininas, compreendendo o corpo, por um lado, como construção histórica, que inclui (mas não se limita a) sua dimensão biológica e material e, por outro, como dispositivo que se (con)figura em/por jogos de poder. Tais jogos produzem corpos valorizados socialmente e, em contraponto, outros que, ao não se enquadrarem em padrões de sexo-corpo-gênero são relegados à zonas de abjeção. Utilizamos a ideia de “campo-tema” para pensar a metodologia deste trabalho. A pesquisa incluiu para a sua construção trânsitos entre eventos, encontros e a realização de entrevistas narrativas individuais com sete mulheres trans residentes da Região Metropolitana de Recife. As análises focalizam três eixos principais: 1) "corpos em trânsitos", no qual são exploradas questões sobre os percursos e transformações empreendidas por essas pessoas com (e em seus) corpos 2) "corpos em transes", no qual organizamos narrativas de afirmação e resistência frente aos binarismos e 3) "corpos em tranças", no qual exploramos questões que articulam (ou não) inteligibilidades aos corpos, lançando olhares sobre o binômio “corpo-nome” e a "estética de classe". Finalizamos (sem concluir) abordando as potencialidades, dificuldades e alcances deste trabalho, especialmente no que concerne à crítica à objetividade científica, apontando questões sobre interlocuções entre corporalidades com educação e religião.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17368
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Thaissa Machado Vasconcelos_Dissertação.pdf2,05 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons