Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17351
Título: Evolução clínica e endoscópica na doença de Crohn após o transplante de células-tronco hematopoiéticas
Autor(es): QUADROS, Luiz Gustavo de.
Palavras-chave: Doença de Crohn. Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. Transplante Autólogo. Colonoscopia. Classificação.; Crohn disease. Hematopoietic Stem cell Transplantation. Autologous Transplantation. Colonoscopy. Classification
Data do documento: 14-Dez-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Introdução: Não existe atualmente uma terapia para tratamento de pacientes com Doença de Crohn refratária quando os tratamentos convencionais como antiinflamatórios, esteroides, imunossupressores e agentes biológicos anti-TNF alfa falham. Neste contexto o Transplante Autólogo de Células Tronco Hematopoiéticas (TACTH) pode ser uma alternativa. Objetivos: O objetivo do estudo foi determinar, após o TACTH, os resultados clinicos e endoscópicos e a toxicicidade imediata nos pacientes com Doença de Crohn (DC) refratários na primeira série brasileira de dez (10) casos realizados em uma única instituição. Casuística e Métodos: Foram estudados retrospectivamente dez pacientes com DC refratários submetidos ao TACTH. O critério de inclusão foi um Índice de Atividade da Doença de Crohn (CDAI) maior que 240, Índice Crônico de Gravidade Craig (CSI) maior que 17, Harvey Bradshaw indice maior que quatro, doença comprovada colonoscopicamente e não respondedores a, pelo menos, dois agentes biológicos anti TNF alfa. O tratamento foi feito com ciclofosfamida e timoglobulina, seguido de infusão de células-tronco de sangue periférico não manipuladas e não selecionados, colhidas por leucaférese após condicionamento com Ciclofosfamida. Avaliação do TACTH durante o período de mobilização e condicionamento até os primeiros 30 dias após o procedimento foi feita utilizando os Critérios NCI Common Toxicity Criteria Questionnaire, CDAI e questionário de qualidade de vida (QV) Short Form 36. Avaliação por colonoscopia foi realizada utilizando como parâmetros as classificações de Rutgeerts, Índice de Gravidade Endoscópica da Doença de Chron (CDEIS) e escore endoscópico simples para Crohn (SES-CD), seis meses após o procedimento em sete pacientes. Resultados: A análise foi disponíveis para 10 pacientes (6 femininos e 4 masculinos), a idade média foi de 34 ± 8 anos (24-50), com CDAI no momento do transplante com mediana 311,6 (240 - 450,2), doença grave em quatro (57 , 1%) e três (42,9%) com doença moderada. Classificação Montreal, Idade: A1 28,6%, A2 57,1% e A3 14,3%; principais manifestações extraintestinais doenças autoimunes associadas: 42,9% B1, B2 42,9% e B1P: 14,3%; distúrbio gastrointestinal locais: L1: 14,3%, L3: 71,4%, L4: 14: 3. Apenas a toxicidade hematológica foi observada em todos os pacientes nas fases de mobilização e condicionamento: leucopenia, granulocitopenia, linfocitopenia, trombocitopenia e hipotensão em um paciente. Como toxicidade gastrointestinal, foi comum o surgimento de náuseas durante alguns dias em todo o período de mobilização e condicionamento. Também foram encontrados febre sem infecção em dois pacientes, assim como farmacodermia e infecção fúngica após enxerto, diagnosticada por CT de tórax, em um mesmo paciente. Nos primeiros 30 dias, apenas um paciente parecia ter reativação de CMV mas não confirmada. Qualidade de vida foi melhor em todos os pacientes e, em três domínios, esta melhora foi estatisticamente significativa. Conclusão: O procedimento foi seguro, com baixa toxicidade hematológica e com impacto clínico no CDAI e na QV.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17351
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Cirurgia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LUIZ GUSTAVO DE QUADROS TESE.pdf9,65 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons