Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17219
Título: Recuperação do solo em cronosequência de regevetação de dunas litorâneas mineradas no Nordeste do Brasil
Autor(es): ESCOBAR, Indra Elena Costa
Palavras-chave: Revegetação; Solos – Correção; Dunas
Data do documento: 14-Mar-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A mineração é uma atividade que afeta um número cada vez maior de áreas naturais. A recomposição das características edáficas está relacionada ao estabelecimento das comunidades vegetais e da atividade biológica do solo. No presente estudo foram avaliadas mudanças nas propriedades do solo (químicas, físicas e biológicas) em uma cronosequência de três locais de dunas litorâneas pós-minerados e revegetados em 1989, 2001 e 2009 e uma duna com vegetação nativa (referência) em dois períodos do ano (seco e chuvoso), nos anos de 2010, 2011 e 2012. Em geral, os menores valores das variáveis químicas foram registrados em RV09. A revegetação das áreas promoveu a recuperação das propriedades, físicas, químicas e biológicas com o aumento da idade das áreas. Foi possível concluir que a recuperação dos processos biológicos em função do tempo de revegetação mostra a recuperação do funcionamento microbiano a partir de 20 anos de revegetação e que as propriedades biológicas do solo são mais influenciadas pelas varrições sazonais do que as propriedades físicas e químicas. Além desses aspectos também foram avaliadas as mudanças no funcionamento microbiano (FM) e na estrutura das comunidades microbianas (ECM) foram estudadas em áreas de dunas mineradas para extração de ilmenita, rutilo e zirconita, revegetadas em 1989, 2001 e 2009 e em uma duna natural com vegetação de restinga (referência). A composição da comunidade microbiana foi determinada por ésteres metílicos de ácidos graxos (FAMEs). O tempo de revegetação vem promovendo a recuperação gradual da estrutura e do funcionamento microbiano do solo. As propriedades microbianas e a estrutura da comunidade são influenciadas pelo período de coleta, apresentando maior atividade microbiana no período chuvoso. Em geral, a área de duna natural apresentou maior proporção de biomarcadores para fungos sapróbios. Nas áreas revegetadas a distribuição dos biomarcadores para os principais grupos microbianos foi influenciada pelo tempo de reabilitação, com maiores proporções de biomarcadores de FMA e Bactérias Gram+ nas áreas revegetadas em 1989 e 2001 e de Bactérias Gram- na área revegetada em 2009. Os benefícios da revegetação em áreas de mineração são diferenciados em função do atributo avaliado, do período de coleta e principalmente do tempo de reabilitação. Nosso estudo mostrou que a revegetação é um método eficiente em recuperar a estrutura e as propriedades do solo, e que, embora o tempo de revegetação resulte em uma estrutura da comunidade em geral mais próxima à da duna original, não há um restabelecimento total da estrutura da comunidade de micro-organismos quando as áreas revegetadas são comparadas à duna natural. A revegetação das áreas mineradas também promove a recuperação das propriedades químicas, físicas e biológicas nas áreas; entretanto, os benefícios da revegetação são diferenciados em função do tempo de reabilitação das dunas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17219
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Biologia de Fungos

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese_ Indra Elena Costa Escobar.pdf915,92 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons