Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17170
Título: Mortalidade de Mulheres em Idade Fértil e Materna na População Indígena do Estado de Pernambuco
Autor(es): ESTIMA, Nathalie Mendes
Palavras-chave: Mortalidade materna. População indígena. Sistemas de informação; Maternal mortality. Indigenous peoples. Information systems
Data do documento: 31-Ago-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Apesar de avanços observados após a criação do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena no Brasil em 1999, a saúde do povo indígena se mantém com muitos dos problemas vivenciados pela população em geral, dentre estes, a saúde das mulheres em idade reprodutiva. Em paralelo, informações confiáveis sobre a situação de saúde desses grupos populacionais são incipientes, dificultando a construção e limitando o uso de indicadores capazes subsidiar o desenvolvimento de políticas públicas específicas. Objetivo: Analisar a mortalidade de mulheres em idade fértil (MIF) e materna da população indígena do estado de Pernambuco, no período de 2006 a 2012. Método: Trata-se de estudo descritivo exploratório, para o qual realizou-se um linkage entre informações dos óbitos de MIF raça/cor indígena do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e relatórios gerados a partir da qualificação deste quesito pelo DSEI Pernambuco no módulo de investigação SIM-Web. Os óbitos de MIF e maternos foram classificados por causa básica, de acordo com a Classificação Internacional de Doenças 10 Revisão (1993), e os óbitos maternos analisados segundo o modelo dos três atrasos, proposto por Thaddeus e Maine (1994). Resultados: Obteve-se um banco composto por 115 óbitos de MIF, dos quais 41,7% estavam subinformados como indígena ao SIM e 70,4% eram de mulheres aldeadas. A maior proporção dos óbitos ocorreu entre as mulheres da faixa etária mais elevada, com baixa escolaridade, agricultoras e solteiras. As principais causas de óbito foram as doenças do aparelho circulatório, seguidas das causas externas, neoplasias e causas maternas. Identificaram-se dez óbitos maternos (05 por causas obstétricas diretas e 05 obstétricas indiretas), cujos atrasos se deram principalmente nas Fases II e III. Conclusões: Os resultados mostram o linkage entre bancos de dados como ferramenta essencial capaz de possibilitar o conhecimento dos óbitos de MIF e maternos indígenas subinformados e a construção do perfil de mortalidade da população estudada. As mortes por causas maternas representam importante causa de óbito nessa população e se mostram com padrão semelhante às mortes de mulheres da zona rural do estado, resultantes de dificuldades de acesso oportuno e da desorganização da rede de atenção obstétrica como um todo.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17170
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Administração

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO_PPGISC_2015_NathalieEstima.pdf5 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons