Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17113
Title: Revisão Taxonômica de Hohenbergia Schult. & Schult.f. subg. Hohenbergia (Bromeliaceae)
Authors: BARACHO, George Sidney
Keywords: gênero Hohenbergia
Issue Date: 13-Feb-2005
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: O gênero Hohenbergia possui 49 espécies com distribuição neotropical e a América do Sul como principal centro de diversidade. O gênero está dividido em dois subgêneros: Hohenbergia subg. Hohenbergia e Hohenbergia subg. Wittmackiopsis Mez. Ambos os subgêneros diferenciam-se principalmente pela morfologia dos ramos da inflorescência, grau de imbricação das brácteas florais e morfologia do óvulo. Hohenbergia subg. Wittmackiopsis apresenta 21 espécies com ocorrência exclusiva para as ilhas do Caribe, especialmente para as ilhas de Cuba, Jamaica e Porto Rico, exceto H. andina, espécie aqui transferida para este subgênero, como única endêmica para a Colômbia. Hohenbergia subg. Hohenbergia, como está aqui delimitada, caracteriza-se morfologicamente pelas inflorescências (2)3-4-pinadas, com ramos primários pedunculados, e óvulos caudados. Apresenta 28 espécies sul-americanas ocorrendo nas ilhas de Trinidad e Tobago, costa da Venezuela e Brasil. A partir de coletas e observações de campo de 13 táxons em seu ambiente natural e de identificações de espécimes depositados em diversos herbários nacionais e estrangeiros, observou-se que 27 espécies (96,4%) de Hohenbergia subg. Hohenbergia são exclusivas da flora brasileira e somente H. stellata é a única espécie de ocorrência disjunta nas ilhas de Trinidad e Tobago, Venezuela e Nordeste do Brasil. Observou-se, ainda, com base no levantamento de tipos e protólogos, que a região Nordeste do Brasil é o principal centro de diversidade do subgênero, especialmente o Estado da Bahia. Das 28 espécies registradas, 27 ocorrem na região Nordeste do Brasil e compreendem 96,4% do subgênero. Destas, 26 espécies apresentam distribuição restrita, são endêmicas desta região e representam 92,8% da diversidade do subgênero. Das 26 espécies endêmicas que ocorrem no Nordeste do Brasil, 22 espécies apresentam distribuição muito restrita, são endêmicas ao Estado da Bahia e compreendem 78,5% do subgênero. Destas, pelo menos 15 espécies são registradas para o sul do estado, associadas ao ambiente florestal úmido e correspondendo a 53,5% do subgênero ou 68,1% das espécies endêmicas da Bahia. Em virtude da alta diversidade de espécies de Hohenbergia encontradas na Bahia, sugere-se este estado como principal centro de diversidade do grupo. Seis binômios são apresentados nesta revisão como sinônimos: Hohenbergia catingae var. catingae, H. catingae var. elongata, H. catingae var. eximbricata, H. catingae var. extensa, H. catingae var. horrida e H. ramageana. Hohenbergia horrida é apresentado como o único binômio restabelecido nesta revisão. Nove táxons são apresentados nesta revisão como duvidosos ou excluídos: Hohenbergia andina, única espécie endêmica da região andina da Colômbia e aqui transferida para o subgênero Wittmackiopsis; H. eriantha, cujo tipo e protólogo são insuficientes para conceituar o táxon; H. foliosa, nomen; H. gigantea, nomen nudum; H. membranostrobilus, aqui transferida para o gênero Quesnelia Gaudich.; Hohenbergia sp.1; Hohenbergia sp.2; Hohenbergia sp.3; e Hohenbergia sp.4. São apresentadas um chave de identificação para as espécies de Hohenbergia subg. Hohenbergia, descrições, ilustrações e comentários sobre os aspectos taxonômicos, nomenclaturais e de distribuição geográfica de cada espécie.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17113
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Biologia Vegetal



This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons