Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17098
Título: A psicologia acadêmica e os estudos feministas e de gênero no Recife: interfaces, tensões e possibilidades
Autor(es): RODRIGUES, Mariana Borelli
Palavras-chave: Psicologia; Estudos Feministas; Estudos de Gênero; Ciência; Militância; Psychology; Feminist Studies; Gender Studies; Science; Militancy
Data do documento: 19-Jul-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Historicamente a psicologia tem construído teorias e práticas normalizadoras, distanciando-se das realidades locais e negligenciando em suas ações e produções a problematização crítica do gênero e da sexualidade enquanto categorias fundamentais para a compreensão das subjetividades e dos contextos de micro e macro produção das mesmas. Em contrapartida, os feminismos no Brasil e no mundo ocidental tem questionado nos espaços acadêmicos e políticos as normalizações impostas sobre as mulheres e as relações de gênero. Busca-se, portanto, compreender as tensões e interfaces entre a psicologia acadêmica e os estudos feministas e de gênero na cidade do Recife, a partir de uma pesquisa de orientação feminista de caráter qualitativo. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com cinco interlocutoras(es) que tiveram formação ou atuaram academicamente na psicologia no Recife e que produzem no campo dos estudos feministas e de gênero. Os relatos versam sobre as mudanças epistemológicas que possibilitaram a aproximação da psicologia com os feminismos, as experiências pessoais e profissionais de encontro das(os) interlocutoras(es) com as militâncias ou estudos feministas, as relações entre ciência e militância e os processos de circulação de teorias em contextos locais e globais. Além das entrevistas, foram analisadas as publicações recifenses da psicologia nas versões eletrônicas dos dois principais periódicos científicos feministas do país. As análises buscaram investigar as principais temáticas produzidas e paradigmas científicos norteadores de pesquisa e produção. Foi possível compreender que os processos de circulação e migração das(os) interlocutoras(es) a outros estados ou países possibilitaram os encontros entre suas práticas acadêmicas e os estudos feministas e de gênero. O retorno dessas pessoas ao Recife tem ocasionado um maior diálogo entre a psicologia e os campos teórico e político feminista e de gênero. Estas questões de circulação e de produção de teorias e práticas na academia nos remetem ao debate sobre saber-poder, fortalecendo a crítica feminista do quanto a produção acadêmica é política e posicionada.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17098
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Psicologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO - MARIANA BORELLI.pdf1,3 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons