Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17023
Título: Hipertensão essencial: emoção, doença e cultura
Autor(es): MACIEL, Carmem Lúcia Campos
Palavras-chave: Hipertensão essencial; Emoção; Doença; Cultura; Cardiovascular
Data do documento: Ago-1988
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: o trabalho aborda uma doença cardio-vascular cada vez mais freqüente na cultura ocidental individualista – a Hipertensão Essencial. Reconhece a influência de muitos fatores na gênese da doença, o que dificulta fortemente o seu entendimento dentro de um enfoque positivista tradicional. Há duas grandes categorias de atribuição de causalidade: a) ao indivíduo à sua natureza emocional, a características típicas da personalidade do hipertenso - ser muito reativo as emoções, principalmente as que se relacionam com raiva, irritação ou ressentimento; b)ã cultura da modernidade urbana Ocidental, cujo estilo de vida estressante leva o indivíduo a sempre querer ter mais,a consumir mais, numa situação de crise onde o trabalho e cada vez pior remunerado, frustrando assim as expectativas e gerando conflitos e crises. E salientado como um fator para o qual não se tem dado a importância devida, a crise da meia-idade como uma das situações de peso para o desencadear da doença. A meia-idade se reveste de importância fundamental, pois ê a época de maior envolvimento ativo com os padrões culturais e a sua reprodução, concentrando o maior numero de papeis sociais desempenhados durante a vida. Finalmente, tenta-se mostrar que não há igualdade perante a doença, estando o nível sócio-econômico ligado aos fatores de risco: quanto mais pobre, maior a exposição a condições estressantes ligadas à doença hipertensiva, associados à menor condição de muda-las e/ou de tratar-se. O papel feminino pode ser visto como uma condição estressante a mais, pois esta em mudança constante: a mulher hoje trabalha e cuida da casa e dos filhos, as exigências sociais dobraram. Concluindo, as condições de vida da modernidade urbana criam circunstâncias de crise físico-moral que são de terminantes para a Hipertensão Essencial, sendo este quadro agravado para os níveis sócio-econômicos inferiores.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17023
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Antropologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
39M152h Dissertação.pdf6,68 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons