Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/16828
Título: “Civilização” e “moralização” de índios na província de Pernambuco entre 1850-1889 : mão de obra indígena
Autor(es): BARBOZA, Maria José
Palavras-chave: Pernambuco – História; Índios; Mão de obra; Catequese; Civilização
Data do documento: 14-Ago-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O século XIX foi marcado por grandes transformações econômicas, políticas e sociais. Um século heterogêneo, chamado o século das “ideias em movimento”, produziu no cenário político e intelectual, representações que se inserem nos projetos de construção de uma nacionalidade brasileira. Entre as representações criadas no cenário político imperial estava a formação para o trabalho livre associada aos discursos sobre a extinção dos aldeamentos indígenas, terras e agricultura. Constituindo um emaranhado de ideias, onde encontramos a fusão dos termos catequese e civilização, conceitos que estão intrinsicamente relacionados à ação missionária capuchinha, que por meio da atividade catequética realizavam a “civilização” e “moralização” dos índios. Catequizar e civilizar os índios no Segundo Reinado compreendia transformar índios em braços livres para atender as necessidades da agricultura – principal riqueza econômica do país. Desse modo, a política indigenista no século XIX, buscou integrar os povos indígenas à sociedade nacional, tentando impor aos nativos os modos de vida europeus. No século XIX a política indigenista aconteceu por meio da Lei de Terras de 1850 e do discurso político sobre o desaparecimento dos índios, tendo como um dos objetivos o controle das terras indígenas e a transformação dos índios em trabalhadores assalariados em substituição a mão de obra escrava em vias de extinção. Na província de Pernambuco, essa política negou a identidade indígena, justificando a extinção dos aldeamentos e transformando índios em trabalhadores assalariados em fazendas da região. O presente estudo não se restringiu apenas a análise da política indigenista oitocentista, procurou mostrar que os índios não foram convertidos ou civilizados nos moldes esperados pelos religiosos e políticos do Império. Considerando o processo de desafios e trocas culturais entre índios e não índios, no qual as populações indígenas transformaram e rearticularam seus valores e tradições se adaptando as condições colocadas pela sociedade da época. Desafios e rearticulações que podem ser percebidas nas entrelinhas da documentação analisada, que nos possibilita perceber as ações indígenas de resistência.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/16828
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Maria José Barboza.pdf2,99 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons