Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1620
Título: Hemorragia digestiva alta no Hospital da Restauração em Recife
Autor(es): CavalcantI de Almeida, Thaís
Palavras-chave: Hemorragia digestiva alta;Varizes esofágicas;Doença ulcerosa péptica;Ressangramento;Esquistossomose;Anti-inflamatórios não esteróides
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: CavalcantI de Almeida, Thaís; Lúcia Figueiredo Porto, Ana. Hemorragia digestiva alta no Hospital da Restauração em Recife. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: A hemorragia digestiva alta (HDA) é uma grave e frequente complicação nas emergências dos hospitais cursando com elevada morbimortalidade. Sua ocorrência é maior em áreas de baixas condições socioeconômicas e acarreta um grande impacto econômico para os gestores de saúde. A maioria dos estudos relacionados ao tema evidencia as úlceras pépticas como a principal causa de sangramento, porém no Brasil há uma heterogeneidade em relação à causa da HDA, se varicosa ou não varicosa, tendo em vista que algumas regiões são endêmicas para esquistossomose, sendo nestes locais a ruptura de varizes esofágicas (VVEE) a principal etiologia. Dois estudos foram elaborados abordando o tema, em que os pacientes incluídos foram atendidos com HDA no setor de endoscopia do Hospital da Restauração, referência em hemorragia digestiva em Pernambuco, no período de outubro de 2008 a outubro de 2009. Foi preenchido formulário padronizado sobre antecedentes pessoais, dados demográficos, clínicos e realizado endoscopia digestiva alta para determinação do sítio de sangramento e terapêutica quando necessária. No primeiro estudo, foram analisadas as características demográficas e clínicas e as causas do sangramento de 385 pacientes com HDA. Observou-se média de idade de 55,9 anos, sendo 234 (60,8%) do sexo masculino e maior frequência da faixa etária de 50 a 59 anos (27,3%); 166 (43,1%) eram naturais da Região Metropolitana do Recife. O consumo de anti-inflamatórios não esteróides (AINES) foi relatado por 167 (43,4%) pacientes, história prévia de hemotransfusão por 182 (47,3%) e doença hepática crônica (DHC) em 112 (29,1%). Hematêmese esteve presente em 50,4% dos casos. A HDA foi classificada em não varicosa (41,3%) e varicosa (39,7%) e quanto à etiologia, foi secundária a VVEE em 38,1% dos casos, a úlcera péptica em 19,5% e não determinada em 19%. Foi observada uma relação entre o uso de AINES e HDA não varicosa (p<0,001). No segundo estudo, foram avaliados 178 pacientes portadores de varizes esofagogástricas com HDA. A média de idade foi 53,9 anos, sendo 115 (64,6%) do sexo masculino. A faixa etária mais frequente foi de 50 a 59 anos (31,5%) e 67 (37,7%) eram naturais de Zona da Mata. Ao exame físico, 58 (32,6%) pacientes apresentavam ascite. Observou-se que 177 pacientes tinham VVEE e 78 tinham varizes gástricas. Quanto aos exames solicitados para caracterizar a doença de base, evidenciou-se um valor médio de albumina de 2,8g/dl, de bilirrubina total 2,2mg/dl e de INR 1,4. A DHC foi definida pelo ultrassom em cirrose (38), esquistossomose (60) e doença mista (22). Após alta hospitalar, 45/174 pacientes (25,9%) ficaram em uso de propranolol e 57/174 (32,8%) conseguiram acompanhamento em ambulatório especializado. Após 3 meses do episódio de HDA, foi constatado relato de ressangramento em 92/161 (57,1%) pacientes e óbito em 44/161 (27,3%)
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1620
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2884_1.pdf758,9 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.