Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/16160
Title: Sífilis gestacional: fatores de risco sociodemográficos, comportamentais e assistenciais
Authors: MACÊDO, Vilma Costa de
Keywords: Sífilis;Gestantes;Estudos de Casos e Controles;Fatores de Risco;Transmissão Vertical de Doença Infecciosa;Syphilis;Pregnancy;Case-control studies;Risk factors;Vertical Transmission of Infectious Disease;Prenatal Care
Issue Date: 18-Aug-2015
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A sífilis gestacional é uma doença infecciosa, transmitida verticalmente, e está associada a diversos desfechos negativos na gravidez que são evitáveis quando detectada e tratada de forma precoce. As recomendações atuais para o controle da sífilis reforçam a necessidade de priorizar intervenções globais em prevenção, diagnóstico e tratamento oportuno com atenção a grupos populacionais mais expostos. O objetivo desta tese foi estudar os fatores que influenciam a ocorrência e o tratamento para sífilis em mulheres atendidas em sete maternidades públicas do Recife – PE. O documento foi estruturado nos seguintes capítulos: revisão da literatura, método, resultados apresentado sob a forma de dois artigos originais, considerações finais e recomendações. O estudo foi desenvolvido a partir de uma pesquisa mais abrangente, do tipo caso-controle, que recrutou 1.206 mulheres a partir da admissão nas maternidades, conforme local de residência e resultado do exame de VDRL (Venereal Disease Research Laboratory). Para cada resultado de VDRL reagente sob qualquer titulação, buscavam-se, na sequência posterior de ordem de admissão, duas com resultados de VDRL não reagentes, durante os anos de 2013/2014. O primeiro artigo analisou os fatores de risco sociodemográficos, comportamentais e de assistência à saúde relacionados à ocorrência de sífilis em mulheres residentes e atendidas em maternidades públicas da cidade do Recife – PE. Utilizou-se um delineamento do tipo caso-controle que considerou o resultado da sorologia ELISA (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay). A amostra foi constituída de 561 mulheres, das quais 239 eram reagentes (casos) e 322 eram não reagentes (controles) ao ELISA. Os resultados mostraram que os fatores de risco à sífilis gestacional estavam relacionados a menor escolaridade, ausência de acesso ao telefone, religião católica, ocorrência de quatro ou mais gestações, maior número de parceiros sexuais nos últimos doze meses, início do uso de drogas antes dos dezoito anos, assim como à utilização de drogas ilícitas pelo companheiro. Além destes, ao número insuficiente de consultas ao pré-natal e ao relato de história anterior de infecção sexualmente transmissível. O segundo artigo teve como objetivo caracterizar o perfil sociodemográfico, reprodutivo e assistencial segundo a situação do pré-natal, o registro do VDRL e o tratamento para sífilis em mulheres admitidas em maternidades públicas de uma capital do Nordeste do Brasil, entre 2013 e 2014. Trata-se de um estudo transversal, com uma amostra de 1.206 mulheres residentes em Pernambuco nos anos de 2013/2014. Os resultados evidenciaram entraves para o controle da transmissão vertical da sífilis. Do total, 91,3% das mulheres realizaram o pré-natal. O registro do VDRL no cartão de pré-natal estava ausente em 23,9% e destas, a maior parte iniciou o acompanhamento no último trimestre da gestação. O pré-natal não se mostrou efetivo na prevenção e rastreio da sífilis, uma vez que 34,1% apresentaram-se reagentes ao VDRL na admissão à maternidade. Entre as mulheres não tratadas para sífilis no pré-natal, apenas 57,7% e 46,2% cumpriram as recomendações de iniciar o acompanhamento no primeiro trimestre gestacional e realizar seis ou mais consultas, em contraste com as que receberam tratamento com valores de 70% para as duas situações, respectivamente. A ocorrência da sífilis na gestação está associada ao baixo nível de escolaridade, a piores condições socioeconômicas, a comportamentos de maior vulnerabilidade e acompanhamento pré-natal insatisfatório. Notou-se, também, obstáculos no diagnóstico e tratamento da sífilis durante o pré-natal, tornando ainda mais complexo o controle nessa população.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/16160
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Saúde da Criança e do Adolescente

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Doutorado_POSCA_VilmaMacedo_2015.pdf2.48 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons