Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15671
Title: Estudo comparativo entre a citologia convencional versus citologia em meio líquido e avaliação do diagnóstico das doenças sexualmente transmissíveis em nível de Saúde Pública
Authors: COSTA, Micheline Oliveira Lobo Pereira da
Keywords: Papilomavírus;Doenças sexualmente transmissíveis;Citologia- técnica;Papanicolaou Cytology;Liquid-based cytology;ThinPrep;HPV infection;Cervical lesion;genital coinfection
Issue Date: 23-Jan-2015
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: O presente estudo avaliou o desempenho da metodologia citológica de base líquida (ThinPrep-TP) com o da citologia convencional de Papanicolaou (CC) no diagnóstico de alterações citopatológicas e de resultados insatisfatórios, sob a visão de um serviço público no estado de Pernambuco (LACEN-PE) e da Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP-SP). Também foram avaliadas as associações entre a presença de coinfecções genitais dos subtipos de Human papillomavirus (HPV) com Chlamydia trachomatis (CT) e/ou outras microfloras, com os diferentes estágios de alterações cervicais das pacientes. A população do estudo foi de 525 mulheres na faixa etária dos 18-65 anos, atendidas por demanda espontânea, pelas Unidades Básicas de Saúde no Estado de Pernambuco, no período de abril a novembro de 2011. Um questionário padronizado com informações sobre características sociodemográficas, sexuais, reprodutivas e de hábitos (tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas e uso de drogas) foram obtidos de todas as pacientes do estudo. A presença de DNA do HPV e da CT foram diagnósticadas através da reação em cadeia da polimerase (PCR) e o exame citológico foi realizado para detecção das demais infecções. Para avaliar a relação das infecções genitais com a presença de alterações intraepiteliais cervicais, foi utilizado o teste exato de Fisher. Os resultados mostraram que 11,05% das pacientes tinham menos de 25 anos, 30,86% eram solteiras, 6,86% tiveram mais de 5 parceiros sexuais, 44% não faziam uso de métodos contraceptivos, 38,85% eram usuárias de álcool, 24,38% eram fumantes e 3,24% haviam consumido drogas. Além disso, 42,01% tinham queixas ginecológicas; e 12,19% história pregressa de doenças sexualmente transmissíveis (DST). Quando comparadas a eficiência das técnicas TP e CC sob a visão do LACEN-PE, observou-se que as duas metodologias avaliadas apresentaram fraca concordância entre os métodos (k=0,19;95%IC(0,11-0,26); p<<0,001). A metodologia TP reduziu a taxa de resultados insatisfatórios de 4,38% para 1,71% (×2= 5,28; p=0,02), e o número de alterações citopatológicas diagnosticadas aumentaram de 2,47% para 3,04%. Porém sob a avaliação da FOSP-SP, as duas metodologias apresentaram concordância (k=0,39;95%IC(0,29-0,50); p<<0,001). A metodologia TP apresentou taxas insatisfatórias e praticamente semelhantes de 3,20% para 3,60% (×2= 5,00; p=0,17), e de alterações citopatológicas de 5,60% para 4,20%. Em 87 casos, foram observadas alterações cervicais por uma das metodologias utilizadas; destas, em 83,91% foram detectados CT e 82,76% foram positivas para HPV, ocorrendo coinfecção em 65 casos (74,7%). Em 93,1% dos casos houveram alterações colposcópicas, observando-se uma associação estatisticamente significativa entre coinfecção HPV-CT e presença de lesão (p=0.037). Outras microfloras encontradas foram Gardnerella vaginalis (35,6%), cocos (18,4%), Candida sp (9,2%), Trichomonas vaginalis (6,9%), Lactobacillus sp (4,6%) e herpesvírus (1,15%). Flora mista (coinfecção por várias microfloras – com exceção de CT simultaneamente) ocorreram em 41,38% dos casos. No entanto, nenhuma associação da presença desses microrganismos não-virais e os herpesvírus com a gravidade das lesões intraepiteliais foram encontradas. Os subtipos de HPV mais frequentes foram 16 e 31 (34,3% e 17,15%, respectivamente). Porém nas lesões de maior gravidade, os mais prevalentes foram 16 e 18. Desta forma, concluimos que este estudo demonstra a superioridade da metodologia TP no diagnóstico citológico das amostras cervicais o que poderá contribuir na diminuição de possíveis perdas por repetição citológica e seguimento das pacientes. É importante chamar atenção para as infecções genitais, em especial a CT, que devem sem investigadas e tratadas adequadamente, haja vista, que coinfecções com o HPV estão associadas ao favorecimento de lesões cervicais, e podem evoluir a graus mais avançados.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15671
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MICHELINE OLIVEIRA LOBO PEREIRA DA COSTA- TESE DOUTORADO -23-10-2015.pdf15.01 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons