Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15431
Title: Avaliação morfológica da raíz e do segundo canal mésio-vestibular em molares superiores por meio da tomografia computadorizada de feixe cônico em subpopulação brasileira
Authors: LOPES, Daniela Siqueira
Keywords: Morfologia do Canal Radicular.;Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico.;Radiologia.;Endodontia.
Issue Date: 28-Feb-2015
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
Abstract: O objetivo deste estudo foi avaliar, pela tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC), a morfologia da raiz mésio-vestibular (MV) e identificar a presença do segundo canal mésio-vestibular (MV2) em molares superiores permanentes em uma subpopulação brasileira. Foram analisados 1.524 molares superiores por meio de imagens de TCFC PreXion 3D® de 584 pacientes após calibração intra-examinador (Kappa=0,875). Para cada molar foram identificadas o número de raízes e fusionamento, a presença do canal MV2, a classificação morfológica de Vertucci, presença de outro canal supranumerário, ocorrência bilateral, canais tratados endodonticamente, gênero e idade. As variáveis foram analisadas quanto a normalidade pelo teste de Kolmogorov-Smirnov e associadas através do teste qui-quadrado de Pearson. O canal MV2 foi encontrado em 40,9% da amostra, dos quais 65,7%, 28,7% e 5,6% em primeiros, segundos e terceiros molares respectivamente. A faixa etária com maior incidência foi entre 21 e 30 anos. Sua ocorrência diferiu entre os gêneros, com maioria para o gênero feminino (65,7%). A presença de 3 raízes foi detectada em 99% da amostra e o fusionamento foi observado em 9% dos casos. Em raízes mésio-vestibulares, o tipo II de Vertucci foi predominante (35,6%) seguido dos tipos IV (23,6%), VI (13,3%) e Tipo III em 12%. Em 98,2% da amostra não se encontrou outro canal supranumerário e a ocorrência bilateral se deu em 80,5%. Houve associação estatisticamente significativa entre as variáveis apresentadas (p < 0,05). A ocorrência do canal MV2 foi significativa, com diferenças entre os grupos dentários e faixas de idades. As classificações morfológicas mais comuns de Vertucci foram do tipo II e IV, com altos percentuais de ocorrência bilateral e canais MV2 não obturados em molares tratados endodonticamente. Os resultados deste estudo sugerem que subdiagnósticos de canais supranumerários contribuem para o insucesso endodôntico. Desta forma, os achados da presente pesquisa devem ser aproximados da realidade prática para uma tratamento bem sucedido.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15431
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO Daniela Siqueira Lopes.pdf1.2 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons