Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15373
Título: A indeterminação do sujeito em editoriais jornalísticos do Recife
Autor(es): FLORENCIO, José Herbertt Neves
Palavras-chave: Linguística; Editoriais; Língua portuguesa – sintaxe; Análise linguística.
Data do documento: 5-Fev-2015
Editor: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
Resumo: Partindo do pressuposto de que a linguagem é constituída na interação, em seu funcionamento, nas atividades de uso da língua (NEVES, 1997, 2007; FURTADO DA CUNHA, 2009; MARCUSCHI; KOCH, 2006; MARCUSCHI, 2008), nosso trabalho objetiva investigar os contextos de uso em que aparece o fenômeno linguístico da ‘indeterminação do sujeito’ em editoriais jornalísticos publicados no Recife. Especificamente, investigamos quais são as estruturas linguísticas utilizadas para indeterminar-se o sujeito de uma sentença e que funções textual-discursivas as estruturas de sujeito indeterminado assumem em um contexto específico. Nosso corpus de trabalho constitui-se de 12 (doze) editoriais publicados em sua versão on-line no primeiro semestre de 2014, no Recife, sendo 6 (seis) do Jornal do Commercio e 6 (seis) do Diario de Pernambuco. Analisamos, então, 300 (trezentas) ocorrências de sujeito indeterminado que aparecem nesses textos, utilizando, para isso, de métodos tanto quantitativos quanto qualitativos. Buscando ir além dos postulados da Gramática Tradicional (HAUY, 2014; ALMEIDA, 2009; CUNHA; CINTRA, 2008; BECHARA, 2009; entre outros), utilizamos como referencial teórico os gramáticos brasileiros que seguem uma linha mais funcionalista dos estudos da linguagem (NEVES, 2011; CASTILHO, 2010; PERINI, 2010; AZEREDO, 2008; BAGNO, 2011). Tais autores entendem o fenômeno da indeterminação como algo ligado às intenções discursivas do produtor do texto, algo que se constrói na relação entre esse texto e seu contexto. Levando em consideração essa visão sobre a língua, assumimos que a indeterminação do sujeito ocorre quando o produtor desse texto opta por fazer uma referência genérica no contexto. Assim, também os estudos sobre referenciação como os de Antunes (1996, 2002), Cavalcante (2012), Koch e Marcuschi (1998) e Neves (2007) foram importantes para nossa fundamentação teórica. Em nossa análise, então, pudemos perceber que a indeterminação do sujeito é um recurso amplamente utilizado, sobretudo, quando se quer representar uma coletividade, tratando de temas polêmicos. O autor do texto, na posição de representante do jornal, procura proteger sua face tendo em vista as críticas políticas e sociais a que ele procede nos editoriais.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15373
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Linguística

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Jose Herbertt Neves Florencio.pdf1,2 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons