Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1536
Título: Lectina e metabólitos secundários do cerne de Myracrodruon urundeuva: atividades antioxidante, antifúngica sobre Fusarium e termicida sobre Nasutitermes corniger
Autor(es): Henrique Napoleão, Thiago
Palavras-chave: Antioxidante; Fusarium; Lectina; Myracrodruon urundeuva; Nasutitermes corniger; metabólitos secundários
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Henrique Napoleão, Thiago; Maria Guedes Paiva, Patrícia. Lectina e metabólitos secundários do cerne de Myracrodruon urundeuva: atividades antioxidante, antifúngica sobre Fusarium e termicida sobre Nasutitermes corniger. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Fisiologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: Cerne de Myracrodruon urundeuva é resistente à biodeterioração por fungos e cupins que promovem danos severos à madeira. Este trabalho descreve as atividades antioxidante, antifúngica e repelente contra Nasutitermes corniger de metabólitos secundários de cerne de M. urundeuva e atividade termiticida da lectina de cerne de M. urundeuva (MuHL). Extrato salino (ES, preparação com atividade hemaglutinante) e extrato metanólico (EM, sem atividade hemaglutinante) contêm compostos fenólicos, ácido gálico, flavonóides, luteolina, derivados cinâmicos, proantocianidinas, taninos hidrolisáveis e leucoantocianidinas. Ambos ES e EM mostraram atividade antioxidante e foram efetivos na inibição do crescimento de Fusarium. ES foi eficiente contra F. decemcellulare, F. moniliforme, F. oxysporum, e F. solani, mas ele teve pouco efeito contra F. lateritium. EM praticamente não teve efeito sobre F. decemcellulare e foi mais ativo do que ES contra F. lateritium. ES induziu mortalidade de N. corniger (CL50 de 1,81 mg/mL para soldados e 2,59 mg/mL para operários) e não teve atividade repelente. EM não teve atividade termiticida, mas foi um bom repelente. A presença de MuHL foi detectada em ES. MuHL foi isolada por cromatografia de afinidade (coluna de quitina) e o efeito da lectina sobre N. corniger foi avaliado pelos ensaios termiticida e repelente. MuHL foi submetida a tratamento com tripsina e analizada para a presença de contaminantes não protéicos. A atividade da lectina foi inibida pelo monossacarídeo N-acetilglicosamina e adsorveu na coluna de quitina. A preparação lectínica foi livre de metabólitos secundários que podem promover a mortalidade de insetos. Contato com lectina em todas as concentrações induziu mortalidade dos cupins. Os valores de CL50 foram 0,248 mg/mL para operários e 0,199 mg/mL para soldados, após 4 dias. Ensaio repelente indicou que a lectina não induziu um efeito de rejeição. A lectina permaneceu ativa após incubação com tripsina bovina. Este é o primeiro relato do efeito tóxico de lectinas sobre térmitas. As bioatividades detectadas assinalam a possibilidade da participação de metabólitos secundários e MuHL na resistência do cerne de M. urundeuva à biodeterioração. Adicionalmente, os resultados indicam o uso de resíduos de madeira como fonte de agentes bioativos naturais
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1536
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
thn.pdf9,14 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.