Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1513
Title: Imunohistoquímica e análise digital de imagens no carcinoma ductal infiltrante
Authors: PATU, Vasco José Ramos Malta
Keywords: Mama;Vimentina;Análise digital de imagens;Tumor
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: José Ramos Malta Patu, Vasco; Bezerra de Carvalho Junior, Luiz. Imunohistoquímica e análise digital de imagens no carcinoma ductal infiltrante. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: A imuno-histoquímica é uma técnica de grande ajuda no diagnóstico de doenças da mama, incluindo os tumores. De igual importância, a análise digital de imagens vem sendo cada vez mais utilizada em estudos de alterações na mama. O presente estudo teve como objetivo quantificar morfometricamente a expressão do anticorpo através da imuno-histoquímica em tecidos de mama normal e o carcinoma ductal infiltrante e compará-los com a histoquímica com as lectinas Concanavalina A (Con A) e a Peanut agglutinin (PNA), todas conjugadas a peroxidase. Fragmentos cirúrgicos de tecido mamário com CDI (n = 25) foram fixados em formalina, submetidos à rotina histológica e embebidos em parafina. Foram feitos cortes histológicos (4μm) montados em lâminas e corados com hematoxilina e eosina (HE) para confirmar o diagnóstico. As amostras teciduais selecionadas foram incubadas com anticorpo monoclonal anti-vimentina por uma hora em temperatura ambiente (37ºC) e então incubadas com um anticorpo secundário. A revelação foi realizada após incubação com diaminobenzidina (DAB) e peróxido de hidrogênio. Os tecidos serão desparafinizados em xilol e hidratados em álcool (70%-100%). As lâminas foram megulhadas (10 min) em 10 mM de tampão fosfato(PBS) e H2O2. Os cortes foram contracorados com hematoxilina e eosina rápida e analisados em microscópio óptico. Para controle, as ligações das lectinas foram inibidas utilizando-se methyl-α-D-manosídeo para Con A e D-galactose para PNA (sigma USA). Nas 25 amostras de carcinoma ductal infiltrante foi observada a marcação de 42% dos casos para vimentina e nesses casos foi observado um aumento na marcação de PNA e diminuição da marcação com Con A. Já no restante das amostras (58%) não houve marcação para vimentina e os padrões de Con A e PNA foram invertidos em relação aos vimentina positivos. Os diferentes perfis de expressão da vimentina oferecem um ótimo suporte quantitativo para a investigação de células neoplásicas de mama
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1513
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Ciências Biológicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo1551_1.pdf592.83 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.