Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14972
Título: Marcas do grotesco no texto literário de Washington Cucurto, Ondjaki e Marcelino Freire: alegorias de uma modernidade periférica
Autor(es): SANTANA, Paula Manuella Silva de
Palavras-chave: Sociologia; Sociologia na literatura; Grotesco na literatura; Alegorias
Data do documento: 29-Abr-2015
Editor: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
Resumo: Por meio da inspiração encontrada na hermenêutica do distanciamento (Ricouer, 2008) e no processo de construção de cartografias (Deleuze & Guattari, 1994), busco, nesta pesquisa de tese de doutorado, pensar aproximações entre a sociologia e a literatura através de uma elaboração em torno da noção de grotesco (Bakhtin, 2010; Kayser, 2003) e da construção de alegorias (Benjamin, 2011) dentro do universo diegético das novelas Cosa de negros (2003), doescritor argentino Washington Cucurto; Quantas madrugadas tem a noite (2004), do escritor angolano Ondjaki e da compilação de contos Rasif: mar que arrebenta (2008), do escritor brasileiro Marcelino Freire. Travo um esforço para articular categorias tanto dos contextos sociais, quanto das sociedades internas de suas prosas, uma vez que pensar tais tensões significa dar conta das mudanças que se deram em ambas as esferas, numa via de mão dupla, abrindo caminho para a reflexão acerca de uma realidade social contra-hegemônica, repleta de particularidades e linhas fronteiriças.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14972
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Sociologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE - Paula M_S_Santana.pdf3,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons