Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14963
Título: “Por não querer servir ao seu senhor” : os quilombos volantes do Vale do Cotinguiba (Sergipe Del Rey, século XIX)
Autor(es): OLIVEIRA, Igor Fonsêca de
Palavras-chave: Trajetórias; Escravos Fugidos; Quilombos Volantes; Vale do Cotinguiba; Século XIX
Data do documento: 17-Dez-2015
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Este estudo tem como objetivo analisar as experiências sociais vivenciadas pelos escravos fugidos que residiam, em comunidades quilombolas, nas matas do Vale do Cotinguiba, no século XIX. Tais experiências são aqui abordadas de modo a compreender mais especialmente os meios de sobrevivência desses negros a partir da fuga do cativeiro, assim como as estratégias que os membros daquelas comunidades empreendiam para se esquivarem das atividades militares impetradas pela Secretaria de Polícia. O Vale do Cotinguiba, situado a nordeste de Sergipe Del Rey, se destacava por ser a principal zona agroeconômica da província; motivo pelo qual passou a concentrar, ainda em meados do século XVIII, o maior número de engenhos e, concomitantemente, a maior parcela da escravaria sergipana. Era a partir do contato com os escravos residentes nas senzalas desses engenhos que os quilombolas conseguiam, dentre outras coisas, angariar produtos alimentícios, comercializar outros, e se encontrar cientes das diligências que estavam em curso. Esses avisos permitiam que eles abandonassem, previamente, os seus coitos e alcançassem ambientes que aparentavam ser, ao menos momentaneamente, mais seguros. Entre os pontos que eram alcançados pouco antes das empresas militares estavam outros mocambos, os quais se encontravam instalados, em não raras ocasiões, nas matas imediatas as que estavam sendo alvo, naquele momento, de inspeções. Essa constante mobilidade por parte dos escravos fugidos permitiu adotar aqui o conceito de “Quilombos Volantes”, destacando assim como a movimentação por outros mocambos e por outras comunidades parecia ser uma importante estratégia na manutenção das suas liberdades. Foi adotado aqui ainda, porém como metodologia, o método de ligação nominativa. Este pode ser aplicado sob uma documentação composta sobretudo por ofícios produzidos por indivíduos envolvidos no combate aos quilombos do Vale do Cotinguiba. Tal opção metodológica permitiu-me não apenas acompanhar e analisar a trajetória de muitos escravos fugidos, inclusive por mais de uma comunidade quilombola, como ainda o momento em que se deu a apreensão de parte deles e os destinos que seus senhores ansiavam dar aos mesmos após reaverem os seus domínios. É um pouco das vivências desses indivíduos que se pretendeu aqui estudar. Trata-se, quase sempre, de negros que viram suas experiências de liberdade serem interrompidas por meio da violência, mas que nem por isso deixaram de contrapor, de algum modo, a condição escrava a que estavam submetidos. Inclusive, um deles, pouco antes de ser reconduzido ao cativeiro, indicou que deixara a casa do senhor “por não querer servir ao seu senhor”.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14963
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese de Igor Fonsêca de Oliveira..pdf3,08 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons