Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1438
Título: Purificação, imobilização e avaliação de propriedades biológicas da lectina da entrecasca de Crataeva tapia
Autor(es): Maria Sousa de Araújo, Regina
Palavras-chave: Purificação de lectinas;Imobilização;Coagulação sanguínea;Atividade antitumoral;Atividade antiinflmatória e analgésica
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Maria Sousa de Araújo, Regina; Tereza dos Santos Correia, Maria. Purificação, imobilização e avaliação de propriedades biológicas da lectina da entrecasca de Crataeva tapia. 2008. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Lectinas são proteínas ou glicoproteínas de origem não imune cuja ligação reversível e específica a carboidratos resulta em aglutinação celular. Estas proteínas, presentes em bactérias, invertebrados, vertebrados e plantas são detectadas por ensaio de hemaglutinação. Crataeva tapia L. pertence à família das Capparaceae. Uma lectina de entrecasca de C. tapia, CrataBL, foi purificada à homogeneidade através de fracionamento com sulfato de amônio (Fração 30-60%), seguida por cromatografia de troca iônica (CMCelulose). CrataBL aglutinou eritrócitos de humanos, galinha e coelho (atividade hemaglutinante específica, AHE, 102) e principalmente inibida por glicoproteínas. CrataBL foi termoestável e tratamento com EDTA não afetou a atividade hemaglutinante (AH); atividade não foi alterada após adição de Ca2+, Mn2+, Mg2+ e após tratamento com as enzimas proteolíticas tripsina e quimiotripsina sua AH manteve-se estável. CrataBL migrou como uma única banda após eletroforese para proteínas nativas básicas e duas bandas polipeptídicas de massas moleculares 21.000 e 40.000 Da após SDS-PAGE com ou sem agente redutor; os polipeptídeos foram também detectados usando reagente para glicoproteína e sua porção carboidrato foi estimada em 12,8%. A natureza glicoprotéica de CrataBL foi também revelada por sua interação com lectina glicose/manose em gel de agarose. A massa molecular da lectina por cromatografia de filtração em gel foi de 40.000 Da. CrataBL imobilizada em Sepharose CL-4B adsorveu bioseletivamente caseína, fetuína, ovoalbumina e isolou glicoproteínas de plasma sanguíneo humano. O efeito da lectina na coagulação sanguínea foi avaliado através do tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPA), tempo de protrombina (TP) e tempo de trombina (TT). CrataBL apresentou atividade anticoagulante somente na via intrínseca, onde o TTPA apresentou-se prolongado (dose-dependente) a partir de uma concentração de 1,25 μg da lectina. CrataBL apresentou toxicidade para Artemia salina com LC50 de 71,7 μg/mL. A atividade antitumoral de CrataBL (20 mg/kg) foi avaliada utilizando Sarcoma 180 implantado em camundongos albinos Swiss (Mus muscullus) e foi detectada por redução do peso do tumor de 50,7%. A atividade antiinflamatória de CrataBL foi avaliada pelo modelo de edema de pata induzido por carragenina e a lectina apresentou efeito antiinflamatório significativo evidenciado pela redução (35,4%) do número de neutrófilos no exsudato inflamatório. CrataBL também apresentou atividade analgésica reduzindo em 34,8% o número de contorções induzidas por ácido acético
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1438
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1542_1.pdf2,09 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.