Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14087
Título: Representações de comunicadores de mídia nordestinos sobre sotaque
Autor(es): Ramos, Luciana de Menezes
Palavras-chave: meios de comunicação de massa; jornalismo; psicologia social; representações sociais; sotaque; teoria das facetas
Data do documento: 20-Fev-2015
Resumo: Nos meios de comunicação, o sotaque foi, por algum tempo, considerado como um ruído que interferia na eficiência comunicativa, podendo transferir a notícia para segundo plano. Assim, o sotaque suavizado constitui-se como característica marcante entre os comunicadores. Nesta pesquisa, estudou-se a Representação Social de comunicadores nordestinos em relação ao seu sotaque. O objetivo principal foi descrever o conteúdo das representações sociais do comunicador de mídia nordestino acerca do seu sotaque. A coleta de dados foi realizada em duas etapas. Na primeira, foi empregada a técnica de associação livre, na qual 50 universitários apresentaram o que pensavam diante da palavra “sotaque”. Na segunda, através do Procedimento de Classificações Múltiplas, 25 comunicadores atuantes na Região Metropolitana do Recife classificaram as 15 palavras mais associadas pelos estudantes de duas maneiras, classificação livre e dirigida. A análise foi realizada através de métodos estatísticos multidimensionais. Três aspectos compõem a representação dos sujeitos sobre sotaque: Conceito, Identidade e Espaço. Na primeira, temos seis palavras (engraçado, diferente, arrastado, matuto, preconceito, oxente); na segunda, as palavras são identidade, característica, língua, fala e cultura, próximas ao termo “meu sotaque” e; na terceira, região, regionalismo, nordeste e localidade. Identidade foi a palavra mais relacionada ao termo “meu sotaque”, e as menos relacionadas estão na região Conceito, exceto pelo termo oxente. O sotaque nordestino é considerado uma marca da identidade e cultura do Nordeste. Os comunicadores suavizam características do falar nordestino no exercício profissional para se adequar ao padrão preconizado pelo mercado de trabalho, porém sem perder a sua identidade.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14087
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Comunicação Humana

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LucianaRamos_dissertação_VF.pdf3,25 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons