Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14072
Título: Felicidade, flow e estilos de defesa nos médicos psiquiatras
Autor(es): TAVARES, Leonardo Machado
Palavras-chave: Felicidade; Mecanismos de defesa; Psicologia médica; Flow; Bem-estar subjetivo
Data do documento: 2-Mar-2015
Resumo: INTRODUÇÃO: Felicidade pode ser definida como um estado duradouro e combinado de ausência de emoções negativas, presença de emoções positivas, satisfação com a vida, engajamento social e sentido de vida. A felicidade dos médicos psiquiatras é pouco conhecida, embora se saiba que eles estão em maior risco de síndrome de burnout. O mesmo acontece com o estudo da felicidade dentro da psiquiatria e da psicologia médica. OBJETIVOS: Avaliar a felicidade em uma amostra de médicos psiquiatras que trabalham no Brasil, os estilos de defesa que eles usam com maior intensidade e a experiência de flow, verificando as correlações existentes entre esses três parâmetros. MÉTODOS: Estudo do tipo transversal com caráter quantitativo. Os dados foram coletados por meio de quatro instrumentos autoaplicáveis em 104 médicos psiquiatras brasileiros que participaram do XXXII CBP de 2014. A amostra de psiquiatras foi construída de modo não probabilístico. Foram utilizados quatro instrumentos diferentes: instrumento elaborado pelos pesquisadores com os dados sociodemográficos; subjective happiness scale (SHS); variáveis baseadas no conceito de flow; e defense style questionnaire (DSQ-40). Foram apresentadas as estatísticas descritivas das variáveis. Foi testada a hipótese de normalidade por meio do teste de Komogorov-Smirnov. A SHS teve distribuição normal. O teste para comparação das médias foi o t de student quando a comparação eram entre duas médias, e a ANOVA quando a comparação foi com mais de duas médias, com a aplicação do Bonferroni como post-hoc. A correlação de Pearson foi calculada quando a variável explicativa era quantitativa. Para a análise multivariada, foi aplicada uma regressão linear múltipla, com modelagem do tipo stepwise, forward. RESULTADOS: Os psiquiatras estudados se sentem felizes (escore 5,69 de um total de 7), utilizam mais intensamente estilos defensivos considerados maduros (média 5,39), sobretudo humor (média 6,51) e antecipação (média 6,44), e a grande maioria tem atividades que levam ao estado de flow (89,3%). Ter filhos, utilizar estilos defensivos do tipo humor, antecipação ou idealização se relacionou a maiores escores de felicidade. Ter qualidade do sono ruim/muito ruim, ter interesse para iniciar o (homens) ou participar do (mulheres) ato sexual apenas a metade das vezes ou menos da metade ou utilizar estilos defensivos do tipo anulação ou acting out mostrou relação com menos níveis de felicidade. Neste estudo, como a maior parte dos psiquiatras têm atividades que levam à sensação de flow, não houve relação entre felicidade e este parâmetro. CONCLUSÃO: A população de psiquiatras estudada apresenta bom escore de felicidade, utilizando mais intensamente estilos de defesa considerados maduros, sobretudo humor e antecipação, e a grande maioria tem atividades que levam à experiência de flow.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14072
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Neuropsiquiatria e Ciência do Comportamento



Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons