Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14028
Title: Estrutura da comunidade fitoplanctônica e hidrologia do ecossistema recifal de Porto de Galinhas (Pernambuco-Brasil)
Authors: MACHADO, Raquel Correia de Assis
Keywords: Fitoplâncton;Ostreopsis ovata;Clorofila a;Índice TRIX;Recifes de Arenito
Issue Date: 26-Feb-2015
Abstract: A praia de Porto de Galinhas, situada no litoral sul de Pernambuco, Brasil, cerca de 50 km de Recife, possui recifes de arenito do tipo franja e é alvo de intensa atividade turística. Com o intuito de avaliar a estrutura da comunidade fitoplanctônica e sua dinâmica associada com as variáveis ambientais no ecossistema recifal de Porto de Galinhas, amostras de água foram coletadas em quatro meses dos períodos chuvoso (maio, junho, julho e agosto de 2010) e de estiagem (outubro, novembro e dezembro de 2010 e janeiro de 2011), na superfície, em quatro pontos fixos, na preamar e baixa-mar, em marés de sizígia diurna. A pluviosidade seguiu a curva dos 15 anos anteriores, porém o mês de junho apresentou pluviosidade acima da média devido a um intenso Distúrbio Ondulatório de Leste (DOL). A transparência variou entre 0,63 e 6,5m, a temperatura variou entre 25 e 29ºC, a salinidade de 27 a 38, a taxa de saturação do oxigênio dissolvido de 87,80 a 135,28%, o nitrito foi <0.5μmol.L-1, o nitrato variou entre 0.1 e 5μmol.L-1, o N-amoniacal foi <0,97μmol.L-1, o fosfato foi <0.39μmol.L-1 e o silicato foi <39,2μmol.L-1; a clorofila a variou entre 0,42 e 5,66mg.m-3 e o índice trófico TRIX entre 0,98 e 3,46. A pluviosidade foi o principal fator condicionante nas variações ambientais. De acordo com a análise de componentes principais (ACP), a pluviosidade foi a forçante física mais importante para o sistema influenciando diretamente a clorofila a e nitrato e inversamente a transparência e salinidade. A estrutura da comunidade fitoplanctônica também oscilou em função da sazonalidade, além disso, apresentou maior densidade no período chuvoso. Foram identificados 192 táxons, pertencentes a 6 divisões, sendo Ochrophyta (64,6%) a mais representativa, seguida por Dynophyta (19,3%). Ostreopsis ovata, Trichodesmium eryhtraeum, Protoperidinium bispinum, Paralia sulcata, Thalassiosira leptopus e Fragilaria capucina foram as espécies mais representativas do ambiente. O. ovata se destacou por ser a única espécie muito frequente e dominante. O DOL contribuiu para a ocorrência de grande parte das espécies dulciaquícolas que ocorreram no local. O ambiente caracterizou-se como oligotrófico, tendendo a mesotrófico no período chuvoso. O elevado número de táxons, associado a uma alta equitabilidade foram indicativos de equilíbrio ambiental. A interferência continental pôde ser percebida através da variação dos parâmetros abióticos, assim como da variação na estrutura da comunidade fitoplanctônica. Apesar da área recifal sofrer forte pressão antrópica, esse impacto ainda não foi perceptível no ambiente pelágico.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14028
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE versão biblioteca.pdf2.51 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons