Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14008
Título: Desenvolvimento da atividade locomotora em ratos submetidos à dieta hipercalórica e hiperlipídica no período perinatal: um estudo à luz da plasticidade fenotípica
Autor(es): SILVA, Erika Thienne Lopes da
Palavras-chave: Desenvolvimento fetal; Dieta hiperlipídica; Atividade motora; Estilo de vida sedentário; Ratos
Data do documento: 24-Fev-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Modelos experimentais buscam compreender as consequências da falta de uma alimentação saudável no desenvolvimento do organismo. Assim, o presente estudo tem como objetivo avaliar os efeitos da exposição materna de uma dieta hipercalórica-hiperlipídica (DH) sobre o desenvolvimento da atividade locomotora na prole de ratas Wistar. As ratas foram acasaladas e distribuídas em dois grupos: dieta controle normocalórica-normolipídica (DC) (n=4) e DH (n=6). Após o desmame, os conceptos receberam DC. Semanalmente, foram verificados o peso corporal, consumo da ração, macronutrientes e caloria total ingerida pelas gestantes. Os parâmetros antropométricos (Índice de massa corpórea (IMC), circunferência abdominal (CA), circunferência torácica (CT), relação CA/CT (RAT)) dos descendentes da DH e DC foram medidos no 8º, 14º, 17º, 21º, 30º e 60º dias pós-natal (PN). O peso corporal foi avaliado ao nascer e nos dias da avaliação da atividade locomotora. Foi utilizado o teste de campo aberto através de imagens digitais capturadas por câmera com luz infravermelha para verificar os efeitos da dieta materna sobre a atividade locomotora. Os animais ficaram no ciclo claro-escuro invertidos e foram avaliados no 8º, 14º, 17º, 21º, 30º, 60º, 90º e 150º dias de vida no início do ciclo escuro. Para o desenvolvimento da atividade locomotora foram avaliados a distância real, além de velocidade média, potência, tempo imóvel, número de paradas, tempo imóvel por número de paradas e período de permanência nas áreas (central, intermediária e periférica). O gasto energético (GE) também foi mensurado. O estudo não identificou atraso da atividade locomotora (p>0,05) em animais com DH, porém sugere uma possível programação desses animais ao sedentarismo. Além disso, nossos resultados sugerem menor risco de doenças metabólicas mesmo com animais de DH com menor GE. Conclui-se, então, que são necessários mais estudos que utilizem ácidos graxos polinsaturados como prevenção às doenças metabólicas e como fator protetor ao desenvolvimento da atividade locomotora.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/14008
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Erika Thienne Lopes da Silva.pdf935 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons