Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1373
Title: Estudo da mucosa gástrica na esquistossomose mansônica na forma hepato-esplênica
Authors: Soares Dias, Heloisa
Keywords: Gastropatia congestiva portal; Hipertensão porta; Esquistossomose mansônica hepato-esplênica; Varizes do esôfago; Gastrite
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Soares Dias, Heloisa; Lúcia Coutinho Domingues, Ana. Estudo da mucosa gástrica na esquistossomose mansônica na forma hepato-esplênica. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: Com os objetivos de estabelecer a ocorrência e os tipos de lesões gástricas na forma hepatoesplênica da esquistossomose mansônica (EMHE), e de verificar a existência de associação da gastropatia congestiva portal (GCP) com a intensidade da fibrose periportal (FPP) e com os sinais endoscópicos e ultra-sonográficos da hipertensão porta (HP), foram estudados prospectivamente 71 pacientes, selecionados no ambulatório de esquistossomose do HC, UFPE. Foram excluídos pacientes com antecedentes de tratamento cirúrgico para HP, escleroterapia ou ligadura elástica das varizes do esôfago, de alcoolismo, hepatites B e/ou C e pacientes em uso de beta-bloqueador. Todos os pacientes realizaram endoscopia digestiva alta (EDA), seguindo um protocolo para caracterização das varizes do esôfago, da gastrite e da GCP, realizando biópsia no corpo e antro gástricos; ultra-sonografia (USG) do abdome superior, seguindo protocolo do Cairo e Niamey para caracterização do grau e padrão da FPP e dos diâmetros das veias porta, esplênica e também do diâmetro longitudinal do baço. Foram calculados médias, valores máximos, mínimos e desvios padrão das variáveis contínuas, apresentados distribuição de freqüência e percentuais, e utilizados os testes de Qui-quadrado e Exato de Fisher para verificar as associações entre a GCP e a intensidade da HP e grau da FPP. Em todos os testes foram aplicados níveis de confiabilidade com valores de 95% (p<0,05). A freqüência de GCP pela EDA foi de 54,9% (39 casos), sendo 33 (46,5%) leve e 06 (8,5%) intensa. A de gastrite foi de 83% (59 casos), sendo 32 (45,1%) enantematosa e 27 (38%) erosiva. A análise histopatológica revelou 20 casos (28,2%) de GCP, 39 casos (54,9%) de gastrite, 07 casos (9,9%) de lesões associadas (GCP e gastrite) e 05 casos (7,0%) com mucosa normal. Não houve associação entre o diagnóstico endoscópico e o histopatológico da GCP. A elevada incidência de Helicobacter pylori possivelmente mascara o diagnóstico da GCP pela histopatologia. Igualmente, não houve associação da GCP com o calibre e sinais vermelhos das varizes do esôfago, assim como da GCP com o grau da FPP, nem com diâmetros das veias porta, esplênica e diâmetro longitudinal do baço. O grande número de circulação colateral observado em 33 pacientes (43,5%) foi possivelmente o motivo pelo qual não se obteve associação da GCP com a FPP, nem com os sinais preditivos de HP avaliados pela USG do abdome. Devido ao pequeno número de casos de GCP intensa (06 - 8,5%), conclui-se que, na EMHE sem antecedentes prévios de tratamento para HP, a GCP é uma condição benigna, com baixo risco de HDA
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1373
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Saúde

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo1982_1.pdf1.61 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.