Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1368
Título: Potencial cicatrizante da lectina de sementes de Parkia pendula em camundongos
Autor(es): Cavalcanti Coriolano, Marília
Palavras-chave: Imunossupressão; Ferida Cutânea; Parkis pendula; Lectina
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Cavalcanti Coriolano, Marília; Cassandra Breitenbach Barroso Coelho, Luana. Potencial cicatrizante da lectina de sementes de Parkia pendula em camundongos. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Bioquímica e Fisiologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Um animal imunocomprometido tem dificuldade de se restabelecer depois de sofrer uma injúria. Lectina de sementes de Parkia pendula, PpeL, foi usada como tratamento de lesões cutâneas, com o objetivo de alcançar menores efeitos colaterais, considerando seu potencial cicatrizante. O metotrexato (0.8 mg/kg/semana) foi usado como uma droga imunossupressora. Uma ferida cirúrgica foi produzida (1 cm2) na região dorsal em camundongos albinos suíços (Mus musculus), fêmeas normais e imunossuprimidas. Feridas foram tratadas diariamente com administração tópica de 100 μL das seguintes soluções: Grupo 1 - NaCl 0.15 M; Grupo 2 - imunossuprimido NaCl 0.15 M; Grupo 3 - PpeL (100 μg/ mL) ; Grupo 4 - imunossuprimido PpeL (100 μg/ mL). Foram usados parâmetros clínicos tais como, edema, hiperemia, crosta, tecido de granulação e cicatricial, como também contrações das feridas analisadas durante 12 dias. Biópsias para a análise histopatológica e exames microbiológicos foram realizadas após 2º, 7º e 12º dias. Observou-se a presença de edema e hiperemia em todos os grupos durante o período inflamatório. A primeira crosta foi observada a partir do segundo dia somente nos grupos tratados com PpeL. A análise microbiológica das lesões revelou que nos dias 0 e 2, o grupo 3 não apresentou Staphylococcus sp., entretanto foi observada a presença da bactéria nos outros grupos todos os dias. O uso da lectina também diminuiu a área da ferida, ocorrendo reepitelização total dos grupos 3 e 4 no 11º dia de evolução, enquanto os grupos controles alcançaram o fechamento das lesões no 12º dia. O presente estudo sugere que PpeL é um potencial biomaterial que apresenta evidência farmacológica preliminar no processo de reparo de lesões cutâneas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1368
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
mcc.pdf1,42 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.