Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13409
Título: Caracterização estrutural e aplicações biológicas da lectina coagulante de sementes de Moringa oleifera (cMoL)
Autor(es): Luz, Luciana de Andrade
Palavras-chave: Moringa oleifera; Lectinas; Ccoagulação sanguínea; Citotoxicidade
Data do documento: 31-Jan-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Moringa oleifera é uma planta pantropical cujos tecidos têm sido descritos como fontes de compostos com as mais diversas aplicações. As sementes são consumidas como alimento e fonte de fitoquímicos bastante utilizados na medicina popular em países tropicais e subtropicais. Sementes de M. oleifera contêm óleos e proteínas coagulantes naturais, dentre elas as lectinas, uma classe de proteínas que reconhecem e se ligam específica e reversivelmente a carboidratos. Muitas lectinas já foram purificadas e suas especificidades a carboidrato identificadas, permitindo sua utilização como poderosas moléculas de reconhecimento no interior das células, nas superfícies celulares e em fluidos fisiológicos, podendo assim desempenhar diversas atividades biológicas. cMoL (Lectina coagulante de M. oleifera) é uma proteína básica, com atividade coagulante para contaminantes da água, a mesma já foi purificada e parcialmente caracterizada anteriormente. Dessa forma, o presente trabalho descreve: a caracterização estrutural de cMoL, a avaliação de seu efeito na coagulação sanguínea in vitro; bem como seu efeito citotóxico em células de melanoma B16-F10. A sequência primária revelou que cMoL é uma proteína com 101 aminoácidos, pI teórico de 11.67 e 81% de similaridade com uma proteína floculante de sementes de M. oleifera (MO2.1). Deconvolução do espectro de dicroísmo circular indicou a presença de 46% de α-hélice, 12% folhas-β, 17% voltas-β e 25% de estruturas desordenadas, pertencendo à classe de estrutura terciária α/ β. cMoL prolongou significativamente o tempo requerido para a coagulação sanguínea, tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPa) e tempo de protrombina (TP), mas não foi eficaz em prolongar o TTPa na presença de asialofetuína, glicoproteína que inibe totalmente a atividade da lectina. Dessa forma, cMoL agiu como uma proteína anticoagulante em parâmetros hemostáticos in vitro e pelo menos sobre o TTPa agiu potencialmente através do domínio de reconhecimento a carboidratos. A estrutura secundária de cMoL não se alterou em condições ácidas e alcalinas, no entanto quando a lectina foi submetida a aquecimento a 80°C foi observada mudança no conteúdo de -hélice, seguido por um pequeno aumento de estruturas . cMoL reduziu a viabilidade e causou morte (47,6%) nas células de melanoma após 48 h de tratamento na concentração de 250 μg/mL. A lectina demonstrou elevada especificidade para células tumorais, uma vez que, fibroblastos humanos (GN) tiveram uma taxa de morte celular em torno de 12,6%. cMoL aumentou a produção de espécies reativas do oxigênio (EROs), principalmente mitocondrial. A lectina também promoveu morte celular por apoptose, detectada pela ativação de caspases 3, 8 e 9. Além disso, a morte celular foi independente de Transição de Permeabilidade Mitocondrial (TPM) em células B16-F10. Esses estudos reportam novas e interessantes abordagens para as sementes de M. oleifera, além de fortalecer o entendimento da versatilidade das lectinas em diferentes processos biológicos.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13409
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE LUCIANA LUZ.compressed.pdf8,25 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons