Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13325
Título: A história antigua de México de Clavijero e a disputa do novo mundo: configuração de identidades e fundação da consciência de nacionalidade mexicana
Autor(es): ARAÚJO, Amanda Brandão
Palavras-chave: Literatura Mexicana; Colonização; Jesuítas; Clavijero; Identidade; Nacionalismo
Data do documento: 31-Jan-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O século das Luzes e a Razão Ilustrada demandaram a necessidade de rever conceitos até então disponíveis, alguns deles sacralizados, outros ainda esperando por uma melhor definição. A conquista da América, a natureza de seu espaço físico e de seus habitantes, bem como seu caráter, foram revistos através dos parâmetros de racionalidade europeus. A conclusão a que chegaram naturalistas ilustrados como o Conde de Buffon, Cornelius De Pauw, Guillaume Raynal e William Robertson foi a de que, tanto no campo humano como no natural, o que vinha do Novo Continente era inferior, pueril ou degenerado. Em meio à profusão de textos que tentavam demonstrar sistematicamente o porquê dessa inferioridade, surgiram outros que se propunham a dizer o oposto. É este o caso da obra objeto deste trabalho, a Historia Antigua de México, de Francisco Javier Clavijero, um mexicano jesuíta criollo expulso dos domínios espanhóis em 1767 e exilado na Itália. Privado do direito de exercer seu ofício, expatriado, longe da terra natal, dos familiares e dos amigos e ciente das difamações destinadas à América, não só Clavijero como outros inacianos expulsos pela Coroa espanhola se dedicaram a escrever sobre o lugar onde viviam e a expor um ponto de vista diferente daquele criado pelos antiamericanistas. No caso da Historia, o alvo da obra é não apenas refutar as teorias de inferioridade, mas contar a história das sociedades que habitavam o território mexicano antes da conquista espanhola. Os diálogos em torno da América ficaram conhecidos como “polêmica” ou “disputa” do Novo Mundo e estão relacionados não apenas a definições científicas, mas a imposições de dominação política e econômica. Através da comprovação da inferioridade da América, ficava em aberto a necessidade de algum povo dito superior exercer o papel de “tutor” do povo “desamparado e ignorante”; a pouquidade do Novo Mundo justificaria sua colonização. Neste trabalho expomos as associações entre as teorias demeritórias da América e a necessidade de justificar o domínio europeu sobre ela. Analisamos como a Companhia de Jesus participou desse processo, em especial o envolvimento dos padres exilados, representados pelo autor da obra alvo da nossa análise. Permeiam nossa argumentação as ideias de, entre outros, Aníbal Quijano, Santiago Castro-Gómez, Serge Gruzinski, Jonathan Wright, Adone Agnolin, Antonello Gerbi, José Carlos Chiaramonte, José Luis Romero e Beatriz Helena Domingues. Compreendemos que os escritos de Clavijero não apenas dinamizaram as discussões em torno da “polêmica” como foram responsáveis pela criação de uma identidade nacional e de uma consciência de nacionalidade mexicana que se relacionaram com os movimentos emancipatórios, além de resgatar identidades perdidas de povos que habitavam o México antes da conquista.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13325
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Amanda Brandão Araújo.pdf1,54 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons