Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13217
Título: A saúde do(a) cuidador(a): Um estudo com enfermeiros(as) de um hospital público de recife
Autor(es): Nunes, José Ronaldo Vasconcelos
Palavras-chave: Fatores socioeconômicos;Nível de saúde;Recursos humanos de enfermagem no hospital;Comportamentos saudáveis
Data do documento: 20-Mai-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A enfermagem tem sido nos últimos anos, um segmento profissional com importante expansão de sua empregabilidade. A cidade do Recife apresenta significativo mercado de trabalho para os profissionais de saúde, tornando-se um cenário propício para o desenvolvimento de estudos que tenham os(as) enfermeiros(as) como objeto. O mercado de trabalho ampliado não necessariamente significa um propulsor de qualidade de vida para esta população. O objetivo deste estudo é descrever as condições de saúde dos(as) enfermeiros(as) envolvidos(as) no serviço hospitalar. Através de um levantamento de campo foram entrevistados(as) 81 enfermeiros(as) de um hospital público de Recife, 76,4% do total de profissionais que preenchiam os critérios de inclusão. Trata-se de um estudo transversal, no qual as fontes de evidência que pautam o conhecimento das condições de saúde são às informações sócio-demográficas, a morbidade referida, a disponibilidade e utilização de serviços de saúde e o estilo de vida. Os resultados demonstram que a população é composta em sua maioria por mulheres (93,8%) casados(as) (58,0%), sendo a média de idade de 42,5 anos. A maior parte (79,0%) possui mais de um vínculo empregatício, sendo a média de rendimentos mensais de pouco mais de 7 salários mínimos e a carga horária semanal de trabalho de 65,3 horas. Apesar de possuírem, pela sua formação, conhecimentos privilegiados sobre comportamento saudável e terem disponibilidade de serviços de saúde (95% são beneficiários(as) de planos de saúde) e utilizá-los, os(as) enfermeiros(as) entrevistados(as) possuem condições de saúde desfavoráveis. Em relação ao estado nutricional, 53% encontram-se com sobrepeso ou obesidade. O levantamento da morbidade referida mostra que 53% da amostra é portadora de pelo menos 1 doença crônica. A hipertensão arterial sistêmica e o diabetes mellitus aparecem com as maiores prevalências em toda a casuística, 27,7% e 12,4%, respectivamente. Entre as doenças agudas referidas, destacam-se as doenças infecciosas e parasitárias e as doenças do aparelho respiratório, sugerindo que possa existir relação entre estas e os riscos ocupacionais inerentes à profissão. O estilo de vida dos(as) enfermeiros(as), que foi analisado através de comportamentos relacionados à nutrição, atividade física, atitudes preventivas, relacionamento social e controle do estresse, mostra-se desfavorável, representando riscos para o surgimento de doenças e redução da qualidade de vida. As condições de saúde da amostra descritas na pesquisa encontram-se fora do padrão observado na população em geral. De forma que, podem evidenciar um comprometimento da saúde destes(as) profissionais
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13217
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde Coletiva

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO JOSÉ RONALDO VASCONCELOS NUNES.pdf1,28 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons