Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13071
Title: Avaliação do efeito radioprotetor da MENTHA PIPERITA na disfunção salivar de ratos irradiados.
Authors: DANTAS, Rebeca Carolina Moraes
Keywords: Glândulas salivares;Radioprotetores;Mentha piperita;Radiação Ionizante;Radiobiologia
Issue Date: 27-Feb-2013
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: Objetivo: Avaliar o efeito radioprotetor do extrato aquoso da Mentha piperita na disfunção salivar de ratos irradiados. Métodos: Foram utilizados 72 ratos machos (Rattus norvegicus, Albinus, Wistar), divididos aleatoriamente em quatro grupos experimentais: Controle, correspondendo aos animais que receberam água bidestilada e não foram irradiados; Irradiado, constituído por animais que receberam água bidestilada e foram irradiados com dose única de 15Gy de radiação gama; Menta, grupo em que os animais receberam extrato aquoso de Mentha piperita, mas não foram irradiados e Menta irradiado, constituído por animais que receberam extrato aquoso de Mentha piperita e foram irradiados com dose única de 15Gy de radiação gama. A medida da secreção salivar e a velocidade do fluxo salivar foram avaliadas 15, 30 e 60 dias após o processo de irradiação. Os dados foram submetidos ao Teste não paramétrico Kruskal-Wallis e ao teste de Mann-Whitney (p < 0,05). Resultados: Com 15 dias, o volume salivar e a VFS do grupo irradiado foram reduzidos significativamente comparados ao grupo controle. Com 30 dias, o grupo irradiado apresentou redução significativa do volume salivar e VFS em relação ao grupo controle e menta. Com 60 dias, o grupo irradiado apresentou redução significativa do volume salivar e VFS comparado ao grupo menta. O grupo menta irradiado apresentou volume salivar e VFS reduzidos comparado ao grupo controle e menta. Conclusão: O extrato aquoso da Mentha piperita não protegeu as glândulas salivares nos tempos de 15, 30 e 60 dias após a irradiação. Portanto, o extrato aquoso da Mentha piperita não pode ser considerado uma substância com potencial radioprotetor para as glândulas salivares, de acordo com a metodologia utilizada.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13071
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Odontologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Rebeca Dantas.pdf1.78 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons