Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13007
Título: Avaliação da atividade cicatrizante, antioxidante e antibacteriana do ácido salazínico extraído do líquen Ramalina complanata
Autor(es): OLIVEIRA, Bruno de Luna
Palavras-chave: Ramalina complanata; Parmeliacea; Cicatrização; Atividade antioxidante; Atividade antibacteriana
Data do documento: 29-Ago-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Os líquens são uma associação simbiótica entre fungos e algas, que apresentam potencial medicinal, como agentes anti-hipertensivos, antitumorais, antivirais, anti-inflamatórios e antiparasitários. O ácido salazínico é uma depsidona derivada da β-orcina, presente na maior parte das espécies do gênero Ramalina spp. Estudos publicados em periódicos relatam propriedades antimicrobianas, fotoprotetoras frente a raios UVA, anti-inflamatórias, antioxidantes. Os objetivos deste estudo foram avaliar a atividade cicatrizante, antioxidante e antibacteriana do ácido salazínico extraído do líquen Ramalina complanata. Para a avaliação dos efeitos biológicos no modelo de ferida excisional foram usados camundongos albinos swiss submetidos à uma confecção de ferida cirúrgica. Após o procedimento operatório, os camundongos foram organizados em diferentes grupos de tratamento (Grupo Controle Negativo; Grupo Controle Positivo; Grupo Ácido Salazínico 0,3% e o Grupo Ácido Salazínico 1%). Em cada grupo houve sacrifício dos seis animais no 3º, 7º e 14º dias pós-cirúrgico para avaliação da lesão e do processo de cicatrização da ferida. Para a avaliação da atividade antioxidante, foi utilizado o método de captura de radicais DPPH. A avaliação da atividade antibacteriana do ácido salazínico foi realizada através do método de difusão em disco de papel, frente as cepas de Escherichia coli, Enterococcus faecalis, MRSA, Klebsiella pneumoniae, Bacillus subtilis, Salmonella typhimurium, Acinetobacter baumannii, Shigella felxneri, Citrobacter freundii, Serratia marcescens, Enterobacter cloacae, e dois isolados clínicos de MRSA. Os resultados apontam que o ácido salazínico na concentração de 1% apresenta efeito cicatrizante semelhante ao padrão utilizado, embora não tenha havido significância estatística. O ácido salazínico apresentou um potencial anti-radicalar, surgindo como alternativa de antioxidante natural, com uma EC50% de 0,3027 mg. O ácido salazínico não apresentou ação antibacteriana frente às cepas utilizadas neste estudo.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/13007
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde Humana e Meio Ambiente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Bruno de Luna Oliveira.pdf928,01 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons