Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12920
Título: Constipação crônica funcional em crianças: alimentação e ocorrência de bifidobacterium lactobacilos na microbiota fecal
Autor(es): Moraes, Joyce Gomes de
Palavras-chave: Constipação intestinal; Crianças; Microbiota; Bifidobacterium; Lactobacillus; Fibras na dieta
Data do documento: 25-Jun-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A Constipação Intestinal Crônica Funcional (CICF) é uma entidade nosológica complexa e multifatorial. Constitui a maior causa de constipação intestinal na população infantil, com frequência significativa em lactentes. Estudos mostram que crianças com CICF apresentam a microbiota alterada, sendo o baixo teor de fibras na dieta considerado como uma possível explicação para esse achado. O nosso objetivo foi: comparar crianças constipadas e não constipadas quanto à microbiota fecal, utilizando como modelo os gêneros Bifidobacterium e Lactobacillus; analisar o consumo de frutas, legumes, vegetais e guloseimas nos dois grupos de crianças e verificar se houve associação do tipo de parto, presença de aleitamento materno, prematuridade, história familiar de constipação e a presença de CICF. As crianças foram recrutadas no Centro de Saúde Antônio Luís de Souza (CSALS), em Camaragibe-PE. Foram considerados casos crianças entre seis e 36 meses de idade que preencheram os critérios de Roma III para CICF. O grupo comparativo tinha a mesma faixa etária. O grupo caso foi formado por 39 crianças e o comparativo, por 40 crianças. As mães das crianças responderam a formulários sobre eventos do pré-natal e pós-natal imediato, aleitamento e condições econômicas. Foi realizada avaliação nutricional e da ingestão alimentar das crianças, sendo a última por intermédio de um questionário de frequência alimentar. As crianças tiveram amostras de fezes coletadas e analisadas por SYBR® Green. Não houve diferença estatística entre o consumo de frutas, legumes, verduras e guloseimas entre os grupos. As crianças constipadas consumiram significativamente mais produtos lácteos (p> 0,001) quando comparadas às crianças não constipadas. Não houve diferença estatística quanto ao teor de Bifidobacterium por miligramas de fezes entre os grupos, as crianças constipadas apresentaram um teor significativamente menor de Lactobacillus por miligramas de fezes (p=0,015) quando comparadas às crianças não constipadas. Foi verificado ainda que entre as crianças constipadas uma maior freqüência de parto cesáreo, menor tempo de aleitamento materno e história familiar para constipação positiva.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12920
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde da Criança e do Adolescente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Joyce Gomes de Moraes.pdf1,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons