Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12755
Título: Avaliação do potencial antimicrobiano in vitro e anti-inflamatório in vivo do extrato de Cleome spinosa Jacq.
Autor(es): Silva, Ana Paula Sant’Anna da
Palavras-chave: Planta Medicinal; Antibacteriano; Anti-inflamatório
Data do documento: 31-Jan-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: As plantas utilizadas pela medicina popular são recursos promissores, no tratamento das mais diversas patologias, aliadas às pesquisas que confirmem estas propriedades terapêuticas. Devido ao uso de Cleome spinosa Jacq. na medicina popular contra processos inflamatórios e infecções de natureza microbiológica, esse estudo tem como principal objetivo avaliar o potencial antimicrobiano in vitro e anti-inflamatório in vivo dos extratos das frações orgânicas das raízes e folhas da C. spinosa. A atividade antibacteriana foi realizada através do método de microdiluição para obtenção das concentração mínima inibitória (CMI), concentração mínima bactericida (CMB) dos extratos: ciclohexano folha (ECHF), clorofórmio folha (ECF), acetato de etila (EAF), metanol folha (EMF), ciclohexano raiz (ECHR), clorofórmio raiz (ECR), acetato de etila (EAR) e metanol raiz (EMR) contra as bactérias Gram-positiva (Staphylococcus aureus e Bacillus subtillis) e Gram-negativas (Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa). O ensaio da atividade anti-inflamatória foi realizada com o EMF e EMR nas concentrações de 100 mg, 150 mg e 200 mg; e o método utilizado foi o de indução da peritonite por carragenina e para avaliar a toxicidade de todos os extrato de folha e raiz na concentração de 100mg, 150mg e 200mg foi utilizado o método de Artemia salina. No presente estudo, todos os extratos testados apresentaram atividade antibacteriana, em particular contra bactérias Gram-positivas S. aureus com CMI do ECHF de 0,09 mg/mL e CMB 0,19 mg/mL e contra B. subtilis a CMI dos ECHR e ECR foi de 0,09 mg/mL e CMB de 0,19 mg/mL. Os EMF e EMR de C. spinosa em todas as concentrações testadas (100mg/Kg, 150mg/Kg e 200mg/Kg) apresentaram atividade anti-inflamatória. Todos os oito extratos testados nas concentrações 100mg/Kg, 150mg/Kg e 200mg/Kg não apresentaram toxicidade contra a Artemia salina. Os resultados obtidos demonstraram que os extratos da espécie vegetal C. spinosa possui constituintes com ações antibacterianas e anti-inflamatória consideráveis. Tais resultados incitam a continuação de trabalhos experimentais para que sejam identificadas as substâncias responsáveis por estas atividades.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12755
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Ciências Biológicas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Ana Paula Sant'Anna da Silva.pdf915,97 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons