Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12738
Title: Avaliação anatômica da circulação venosa pial em 80 angiografias cerebrais em humanos
Authors: COSTA, Leonardo Ferraz
Keywords: Angiografia cerebral;Veias cerebrais;Veia de Labbé;Anatomia vascular cerebral
Issue Date: 13-Jun-2014
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Costa, L. F. Avaliação anatômica da circulação venosa pial em 80 angiografias cerebrais em humanos. Dissertação de Mestrado: Universidade Federal de Pernambuco, 2014, 85 pg.
Abstract: O conhecimento dos vasos sanguíneos encefálicos é de grande importância para o tratamento de diversas doenças neurológicas. A angiografia cerebral é um exame dinâmico, possibilitando a avaliação da irrigação arterial, além de fornecer informações sobre o fluxo venoso de drenagem sanguínea do encéfalo. Objetivo: Descrever as características da circulação venosa pial em pacientes que foram submetidos à angiografia cerebral no período de janeiro de 2012 até agosto de 2012, em dois centros de referência em neurorradiologia. Métodos: Foram analisados retrospectivamente dados de 80 exames de angiografia cerebral. Onze dos exames foram eliminados de acordo com os critérios de exclusão. Os 69 restantes (138 hemisférios cerebrais) foram examinados por dois neurocirurgiões e analisados de forma descritiva e através de testes de associação. O nível de significância considerado foi 5% (p=0,05). Resultados: A idade dos pacientes variou de 26 a 89 anos, com média de 53,68 anos. Quanto ao sexo 57% dos pacientes eram mulheres. O padrão de drenagem da convexidade cerebral foi predominantemente pela veia sylviana superficial (VSS) em 42,75% dos casos, pela veia de Labbé (VL) em 13,76%, pela veia de Trolard (VT) em 7,97%, por veias corticais em 6,52% e houve co-dominância nos 28,98% restantes (20,28% VSS e cortical; 3,62% VSS e VT; 2,17% VSS e VL; 1,44% VL e VT; 1,44% VSS e VT e VL). A VSS não foi identificada na angiografia em 1 caso. Nos casos com sua presença, houve padrão de drenagem para o seio cavernoso em 51,82% dos casos, drenagem cortical em 26,27%, para o seio esfenobasal em 8,75%, para o seio esfenopetrosal em 4,37% e padrão de drenagem venosa misto em 8,75%. O ângulo venoso foi verdadeiro (tipo 1) em 70,28% dos casos e a veia septal anterior drenou exatamente no ângulo venoso(tipo A) em 71,01% dos hemisférios. A veia basal de Rosenthal (VBR) estava presente em todos os três segmentos em 61,59% dos casos, ausente em 5,79% e incompleta em 32,62%. A VL foi identificada em 35,5% dos hemisférios, a VT em 23,91%, o seio esfenobasal (SEB) em 20,28%, o seio esfenopetrosal (SEP) em 9,42%, o plexo pterigoide em 52,89% e o seio petroso inferior (SPI) em 43,47%. Dos casos com SEB presente, 64,28% tinham padrão de drenagem da VSS pelo SEB ou misto com participação do SEB. Quando o SEP esteve presente, em 61,53% das vezes o mesmo participou do padrão de drenagem da VSS. A presença da VL e da VT foram associadas com o padrão cortical de drenagem da VSS, com risco relativo de 4,69 (colocar 95% IC) (p<0,001) e 4,01(95% IC) (p<0,0001), respectivamente. Não houve associação do lado direito ou esquerdo com qualquer dos parâmetros analisados. O sexo feminino mostrou associação com predominância de drenagem da convexidade cerebral do tipo cortical (p=0,0051) e pela veia de Trolard (p=0,0233). Conclusão: A principal via de drenagem venosa na superfície lateral do cérebro foi a VSS na maioria dos casos. O fluxo da VSS foi mais frequentemente para o seio cavernoso, seguido em ordem por: veias corticais, seio esfenobasal e padrão misto, e seio esfenopetrosal. A presença de veia de Labbé e veia de Trolard foi associada com padrão cortical de drenagem da VSS, alertando a importância de preservação destas veias durante as neurocirurgias.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12738
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Neuropsiquiatria e Ciência do Comportamento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO Leonardo Ferraz Costa.pdf5.65 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons