Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12667
Title: Efeitos da desnutrição proteica perinatal sobre os mecanismos de controle da função cardiovascular e respiratória na prole de ratos acordados
Authors: ALVES, José Luiz de Brito
Keywords: Desnutrição;Plasticidade fenotípica;Hipertensão arterial;Respiração;Quimiorreflexo
Issue Date: 31-Jan-2013
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: No presente trabalho investigamos se o aumento na frequência respiratória e uma maior sensibilidade de quimiorreceptores centrais e periféricos são os mecanismos subjacentes ao desenvolvimento da hipertensão arterial na prole de ratos submetidos à desnutrição proteica durante a gestação e lactação (período perinatal). Ratas prenhes foram alimentadas com dieta normoprotéica (17% de proteína, grupo controle) ou com dieta hipoprotéica (8% de proteína, grupo experimental) durante a gestação e lactação. Todos os protocolos experimentais foram aprovados pelo comitê de ética em experimentação animal da UFPE (processo n° 23076.044454/2010-94). Após o desmame, a prole de ratos machos foram alimentados com dieta padrão de laboratório e os estudos funcionais realizados nos 30, 90 e 150 dias de vida. Foi verificado e peso e comprimento dos animais durante todo o experimento. Além disso, analisamos bioquimicamente a albumina, proteínas totais, ureia e creatinina séricas desses animais. O registro respiratório foi realizado por pletismografia de corpo inteiro e a pressão arterial foi aferida de forma direta pelo implante de cânula na artéria femoral. Os quimiorreceptores centrais foram ativados por hipercapnia (7% CO2) e os periférico com cianeto de potássio (KCN – 0.05%). Os resultados mostraram que ratos submetidos à desnutrição proteica materna perinatal têm menor peso e comprimento ao nascer, que permanece até aos 90 dias. Aos 30 dias, os animais desnutridos expressaram redução dos níveis séricos de albuminas e proteínas totais, as quais foram normalizadas aos 90. Em contrapartida esses animais apresentaram creatinina e ureia aumentadas aos 30 e 90 dias. Também aos 30 dias de vida, a prole submetida à desnutrição proteica perinatal apresentou aumento na frequência respiratória e ventilação pulmonar de repouso, além de maior sensibilidade de quimiorreceptores centrais, no entanto sem modificações nos níveis pressóricos e de frequência cardíaca. Aos 90 dias, esses animais exibiram aumento de pressão arterial, como também uma maior resposta cardiovascular e respiratória à ativação do quimiorreflexo periférico. Resultados semelhantes foram obsevados também aos 150 dias de vida. Os resultados indicam que o aumento na frequência respiratória e a maior sensibilidade de quimiorreceptores centrais e periféricos podem estar envolvidos no desenvolvimento da hipertensão arterial na prole que passaram por desnutrição proteica na gestação e lactação.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12667
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Nutrição

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
dissertação jose luiz.pdf1.35 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons