Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12520
Title: Leucemia Promielocítica Aguda na infância: estudo cromossômico e investigação da ocorrência de mutações nos genes FLT3 e NPM1 e sua importância prognóstica
Authors: AMARAL, Bethânia de Araújo Silva
Keywords: Leucemia promielocítica aguda na infância;Diagnóstico genético por FISH e RT-PCR;Pesquisa de mutações dos genes FLT3 e NPM1;Óbito precose;Estratificação de risco
Issue Date: 31-Jan-2014
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: A leucemia promielocítica aguda (LPA) requer uma atenção especial dentre as leucemias mielóides agudas devido às suas implicações prognósticas e terapêuticas. A taxa de sobrevida de no mínimo cinco anos na LPA chega a 80% dos pacientes com a terapia atual e a taxa de cura excede os 70%. No entanto, a real situação dos resultados do tratamento da LPA em países em desenvolvimento, como o Brasil, é desconhecida. Este trabalho visou contribuir na investigação dos casos de LPA infantil em pacientes na nossa população objetivando a identificação de marcadores que possam redirecionar o acompanhamento e tratamento destes pacientes. A investigação da ocorrência de mutações dos genes FLT3 e NPM1 é importante na determinação prognostica das LMAs, contribuindo para a estratificação de grupos de maior ou menor risco e auxiliando o direcionamento do tratamento. Dezesseis pacientes pediátricos com LPA, representando 29,09% dos casos de LMA infantil, foram atendidos no CEONHPE/HUOC/UPE de 2004 a 2013. A idade variou de 5 a 17 anos (média de 11,81 anos). Análises citogenética e molecular por FISH e RT-PCR foram realizadas para confirmação do diagnóstico genético, na identificação do rearranjo PML-RARα decorrente da t(15;17), além da pesquisa das mutações dos genes FLT3 e NPM1. A análise cariotípica com o bandeamento G revelou alterações cromossômicas em 10 pacientes. Três apresentaram cariótipos complexos com presença de cromossomos marcadores. A técnica de FISH para a t(15;17) confirmou o rearranjo em 14 pacientes. Divergência entre as análises moleculares foram observadas em cinco pacientes, sendo positiva a detecção da t(15;17) pela FISH e negativa pela RT-PCR. A mutação do FLT3/ITD foi detectada em dois pacientes (12,5%), enquanto a mutação FLT3/TKD foi detectada em apenas um paciente (6,25%). A pesquisa para a mutação no gene NPM1 foi negativa para todos os casos. Quanto ao status oito pacientes encontramse vivos ou na fase de manutenção do tratamento e oito foram a óbito, sendo que destes sete tiveram óbitos precoces ainda na fase de indução. Os motivos primários dos óbitos foram hemorragias, septicemia e manifestação da síndrome do ATRA. Este dado é alarmante uma vez que estas mortes são difíceis de prevenir e assinalam o alto risco de ocorrência destes eventos em nossa população. Destacamos a importância do uso de técnicas citogenéticas moleculares na confirmação genética do diagnóstico da LPA e a necessidade de uma melhor adaptação do regime terapêutico aos casos de LPA na infância em nossa população.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12520
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Genética

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE Bethânia de Araújo Amaral.pdf4.34 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons