Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12460
Título: Investigação de polimorfismos em genes que podem estar relacionados ao desenvolvimento de úlcera de membros inferiores em pacientes com anemia falciforme
Autor(es): FALCÃO, Diego Arruda
Palavras-chave: Anemia falciforme; Polimorfismos; Úlceras de membros inferiores
Data do documento: 31-Jan-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: A anemia falciforme (AF) é a anemia hemolítica mais comum no Brasil. É uma doença que se origina de uma mutação pontual e sua fisiopatologia é caracterizada pela polimerização da HbS, levando a formação de uma hemácia em forma de foice. Essa hemácia falcizada leva à hemólise e vaso-oclusão, que são responsáveis pelas principais manifestações clínicas da doença, como as úlceras de membros inferiores. As úlceras afetam consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes com AF, e apesar de não apresentarem uma causa muito bem definida, variantes polimórficas de alguns genes, podem influenciar no seu desenvolvimento. Objetivo: Esclarecer se fatores genéticos como os haplótipos βs, a talassemia α, e polimorfismos nos genes eNOS, Klotho,TEK, TGF-β e BMP6 estão relacionados com o desenvolvimento das úlceras de membros inferiores na anemia falciforme em nossa população de pacientes acompanhadas na Fundação HEMOPE. Metodologia: A amostra foi constituída de 100 pacientes casos e 175 pacientes controles. Utilizamos como critérios de inclusão para os casos: pacientes portadores de anemia falciforme (HbSS) não relacionados, acompanhados no Hospital de Hematologia da Fundação Hemope (HEMOPE), Recife – PE com histórico atual ou prévio de úlcera de membros inferiores. O grupo de controles foi constituído de portadores de anemia falciforme acima de 18 anos que nunca apresentaram úlceras. Análise molecular foi feita por PCR-RFLP, gap PCR e PCR em tempo real. Resultados: O polimorfismo do gene TGFβ3 mostrou diferença estatística(p=0,027) quando comparamos os dois grupos estudados, mostrando que a homozigoze para esse polimorfismo, pode aumentar o risco de desenvolvimento de úlceras de membros inferiores. Não houve diferença estatística entre os outros marcadores moleculares. Conclusões: De todos os marcadores genéticos em nosso estudo, apenas o polimorfismo do gene TGF β3 apresentou influência reprodutível como modulador genéticos para a prevalência de úlceras de membros inferiores em nossa população de pacientes com AF.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12460
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Genética

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Diego Arruda Falcão.pdf2,58 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons