Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12127
Título: Paleovertebrados da Formação Aliança, Jurássico Superior da Bacia de Jatobá, Nordeste do Brasil
Autor(es): SILVA, Marcia Cristina da
Palavras-chave: Formação Aliança; Jurássico Superior; Bacia de Jatobá; Mawsonia; Ceratodus; Planohybodus; Lepidotes; Mesoeucrocodylia; Icnofósseis
Data do documento: 6-Jan-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: SILVA, Marcia Cristina da. Paleovertebrados da formação aliança, jurássico superior da Bacia de Jatobá, Nordeste do Brasil. Recife, 2012. ix, 163 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Pernambuco. CTG. Geociências, 2012.
Resumo: Os vertebrados da Formação Aliança da Bacia de Jatobá, com idade do Jurássico Superior, foram estudados sob aspectos sistemáticos, tafonômicos e paleoecológicos, buscando conhecer a diversidade fossilífera e reconstituir o paleoambiente da região. Justificou-se pela grande quantidade de fósseis e escassez de trabalhos voltados à paleontologia de vertebrados da bacia, sendo possível identificar material fossilífero de cunho inédito, contribuindo para um melhor entendimento do Jurássico brasileiro, período geológico importante devido à rara exposição de rochas dessa época no Brasil. Os diversos trabalhos de campo efetuados em afloramentos no estado de Pernambuco, resultaram na coleta de vários fragmentos ósseos, dentes e icnofósseis de vertebrados, identificados como ossos cranianos de peixe actinístios, do gênero Mawsonia, que perfazem mais da metade do material fossilífero encontrado; placa dentária de peixe dipnoico, do gênero Ceratodus; escamas e ossos de peixe do gênero Lepidotes; dentes e espinhos de nadadeira de tubarão hibodontiforme, do gênero Planohybodus; dentes e osteodermos de crocodilomorfos Mesoeucrocodylia; e icnofósseis, representados por coprólitos e casca de ovo indeterminada. Além dos vertebrados, registra-se a ocorrência de grande quantidade dos ostracodes, Bisulcocypris pricei e Darwinula oblonga, o que corrobora a idade jurássica, e conchostráceos, do gênero Cyzicus. Esta assembleia indica um ambiente deposicional lacustre e, em alguns afloramentos, de grande profundidade, devido ao tamanho de determinados ossos encontrados, em especial dos peixes actinístios, que poderiam atingir cerca de dois metros de comprimento. Houve a confirmação da distribuição temporal do gênero Mawsonia, no Jurássico Superior do Brasil. A presença da casca de ovo pode constituir o registro mais antigo deste tipo de icnofóssil para o território brasileiro, e os coprólitos, o primeiro para o Jurássico. É possível também correlacionar esta fauna com a de outras bacias do nordeste brasileiro, como as bacias do Tucano, Recôncavo e Araripe, sendo possível avaliar a distribuição paleogeográfica e estratigráfica dos vertebrados e as mudanças evolutivas e faunísticas dos paleoambientes na bacia.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12127
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE PDF - MARCIA SILVA (1)..pdf10,59 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons