Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12114
Título: Atividade antitumoral in vitro e in vivo do ácido salazínico isolado de Ramalina complanata (Sw.) Ach. (líquen)
Autor(es): SILVA, Thiago David dos Santos
Palavras-chave: Ácido salazínico; Liquens; Ramalina complanata
Data do documento: 31-Jan-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Devido à importância epidemiológica dos processos neoplásicos, inúmeras abordagens terapêuticas vêm sendo desenvolvidas. O aumento mundial do número de casos de câncer tem provocado uma corrida dos pesquisadores na busca de soluções para cura e/ou controle desta patologia através de substâncias bioativas. As substâncias liquênicas apresentam varias atividades biológicas e algumas demonstraram serem fontes promissoras de drogas antitumorais. O objetivo deste estudo foi avaliar a atividade antitumoral in vitro e in vivo do ácido salazínico isolado de Ramalina complanata (Sw.) Ach. O ácido salazínico foi obtido a partir da extração com acetona até o esgotamento a quente seguido por sucessivas cristalizações até obtenção do alto grau de pureza da substância. Análises cromatográficas de camada delgada (CCD) e liquida de alta eficiência (CLAE), infravermelho (IV) e ressonância magnética nuclear de prótons (RMN H1) foram realizadas para confirmação estrutural da molécula do ácido salazínico. O ensaio de citotoxicidade foi realizado pelo método do 3-[4,5-dimetiltiazol-2,5-difeniltetrazólio (MTT). Foi avaliado o efeito antiproliferativo do ácido salazínico purificado frente as linhagens de células indiferenciadas de HeLa (carcinoma cólon de útero) e células ascíticas dos tumores experimentais Sarcoma 180 e Carcinoma de Ehrlich. O ensaio de atividade antitumoral foi realizado frente ao tumor sólido experimental Sarcoma 180 e o Carcinoma de Ehrlich em camundongos albinos swiss apresentando peso médio de 35g. Células dos tumores ascítico (5,0 x 106 células mL –1) foram inoculadas via subcutânea (s.c) na região axilar direita do animal. O tratamento teve início 24 h após inoculação por 7 dias consecutivos. Injeções de soluções do ácido salazínico purificado foram administrados intraperitonialmente na dose 26,5 mg/kg. Os resultados de CCD e CLAE respectivamente evidenciaram que o ácido salazínico purificado apresentou Rf (0,173) e tempo de retenção de 3,2 min. O efeito citotóxico do ácido salazínico foi dose dependente nas concentrações de 5 μg/mL, 10 μg/mL, 20 μg/mL e 40 μg/mL. A dose capaz de inibir 50% da proliferação celular (CI50) foi 39,9 μg/mL frente a linhagem de HeLa, 31,6 μg/mL frente as células do Sarcoma 180 e 35,1 μg/mL frente as células de Carcinoma de Ehrlich. No estudo da atividade antitumoral in vivo observou-se uma inibição de 64,3% para o Sarcoma 180 e 73,2% para o Carcinoma de Ehrlich, quando comparados com o 5- Fluoruracil (5-FU) (20 mg/kg) fármaco comercial com atividade já estabelecida que apresentou 10,22% e 10,24% de inibição tumoral para o Sarcoma 180 e para o Carcinoma de Ehrlich respectivamente. Nas analises histopatológicas foram evidenciadas uma redução de 29,37% e 29,45% dos valores dos índices mitóticos nos tumores tratados com ácido salazínico purificado para os tumores Carcinoma de Ehrlich e Sarcoma 180, respectivamente. O ácido salazínico evidenciou significativa ação antitumoral frente aos tumores experimentais testados tanto in vitro quanto in vivo, demonstrando-se ser um agente antitumoral promissor.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12114
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Bioquímica e Fisiologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Thiago David dos Santos Silva.pdf2,43 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons