Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12078
Title: Lipodistrofia em indivíduos vivendo com HIV/AIDS: fatores de risco para lipoatrofia e acúmulo de gordura corporal e associação com síndrome metabólica. Um estudo de coorte
Authors: Oliveira, Thais Gelenske Braga e
Keywords: HIV;Lipodistrofia;Síndrome X metabólica
Issue Date: 25-Feb-2014
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Abstract: O presente estudo teve como objetivo determinar as densidades de incidência e fatores associados com lipoatrofia(LA) e acúmulo de gordura corporal (AGC), determinar a densidade de incidência de síndrome metabólica (SM) de acordo com três critérios diferentes [American Heart Association/National Heart, Lung and Blood Institute (AHA/NHLBI), International Diabetes Federation (IDF) e Harmonizing Metabolic Syndrome: a Joint Interim Statement (JIS)] e verificar a associação de LA e AGC com o desenvolvimento de SM e com os componentes participantes dos critérios de definição de SM em pessoas vivendo com HIV (PVHIV) usando terapia antirretroviral (TARV) na Coorte AIDS-PE (2007-2012). Na avaliação de novos casos de LA e AGC e seus fatores associados, encontramos incidência de LA de 19,3(17,3-21,5)/100pessoas-ano e de AGC 34(31,4–28,1)/100pessoas-ano. Após ajuste, os fatores que permaneceram associados com desenvolvimento de LA foram tempo de diagnóstico de HIV > 5 anos e valores de CD4 <350 células/ml. Os fatores que permaneceram associados com menor risco para LA foram sobrepeso/obesidade e uso atual de atazanavir (ATV). Os fatores que permaneceram associados com desenvolvimento de AGC foram sobrepeso/obesidade, hipertrigliceridemia, pré-diabetes e sexo feminino. Os fatores que permaneceram associados com menor risco para AGC foram idade > 40 anos e uso em algum momento de lopinavir/ritonavir (LPV/r) e efavirenz (EFZ). Na avaliação de novos casos de SM, encontramos incidência de SM pelo JIS de 18,6 (16,5–21)casos/100pessoas-ano, SM pela AHA/NHLBI de 15 (13,2–17)casos/100 pessoas-ano e SM pela IDF de 12,5 (10,9–14,3)casos/100pessoas-ano. Encontramos associação entre AGC com SM, independente da definição adotada. Não encontramos associação entre LA e SM. Avaliando a associação de LA e AGC com os componentes usados para definição de SM, AGC foi fator de risco para circunferência abdominal (CA) elevada (usando ponto de corte IDF), hipertensão arterial (HAS) e hiperglicemia/diabetes mellitus. A presença de LA diminuiu o risco de desenvolvimento de CA elevada pelos critérios da AHA/NHLBI e IDF. Em nossa coorte, os fatores que se associaram com o desenvolvimento de novos casos de LA foram diferentes daqueles com AGC. Encontramos incidência alta de SM principalmente pelos critérios da JIS. AGC, mas não LA, associou-se com novos casos de SM.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/12078
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Medicina Tropical

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE Thais Gelenske Braga e Oliveira.pdf4.39 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons