Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11912
Título: Avaliação in vitro da atividade anti-mrsa de vancomicina encapsulada em lipossomas e do sinergismo com ácido úsnico e β-lapachona
Autor(es): Menezes, Talita Gomes Calaça
Palavras-chave: Staphylococcus aureus resistente à meticilina; Lipossomas; Vancomicina; Sinergismo; Ação antimicrobiana
Data do documento: 17-Mar-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O surgimento e disseminação de bactérias multirresistentes consistem em relevantes problemas de saúde pública. Infecções ocasionadas por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina (MRSA) multirresistente podem apresentar elevada morbimortalidade. Considerando que a vancomicina consiste no fármaco referência da terapêutica de infecções por MRSA multirresistentes, ela deve ser alvo de estudos que visem a melhoria da sua eficácia. Nesse âmbito, moléculas de origem naturais como o ácido úsnico (AU) e a β-lapachona (β-lap) possuem ação antimicrobiana frente a S. aureus. Por outro lado, a encapsulação de fármacos em sistemas nanoestruturados apresenta diversas vantagens decorrentes da liberação controlada do fármaco, dentre as quais aumento da eficácia e diminuição de toxicidade. O objetivo deste estudo consistiu em formular e caracterizar lipossomas contendo vancomicina (VAN-lipo), avaliar a atividade antimicrobiana frente a isolados clínicos de MRSA e verificar o sinergismo com AU e β-lap. Os lipossomas contendo vancomicina foram obtidos pelo método modificado de desidratação-reidratação. Os ensaios de susceptibilidade microbiana foram realizados por microdiluição em caldo de acordo com o Clinical and Laboratory Standards Institute (CLSI). Para avaliar o sinergismo entre as moléculas livres e os lipossomas foram utilizados o método checkerboard e o teste epsilométrico modificado (E-test). Os VAN-lipo apresentaram tamanho de partícula de 136 ± 0,246 nm e eficiência de encapsulação de 36,15 %. Os resultados obtidos sugerem que a interação in vitro entre VAN e AU é do tipo aditiva (FICI = 0,515), porém, a encapsulação do AU em lipossomas (AU-lipo) acarretou em sinergismo com a VAN (FICI = 0,276). A interação entre VAN e β-lap foi sinérgica (FICI = 0,453) e a encapsulação da β-lap em lipossomas melhorou o nível da interação com VAN (FICI = 0,358). β-lap e AU também apresentaram interação do tipo sinérgica. Os ensaios de sinergismo empregando o método E-test reproduziram os resultados obtidos com o método checkerboard em cerca de 82% dos ensaios. O presente estudo demonstrou que a VAN combinada com AU-lipo ou com β-lap ou β-lap-lipo inibe sinergicamente isolados MRSA multirresistentes. Diante disto, conclui-se que a β-lap e o AU, assim como os lipossomas contendo estas moléculas, podem ser importantes promotores da melhoria da atividade antibacteriana da vancomicina, com potencial aplicação na terapêutica de infecções por MRSA multirresistentes.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11912
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Talita Gomes Calaça Menezes.pdf1,2 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons