Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11869
Título: “Onde estão as respostas para as minhas perguntas”?: Cassandra Rios – a construção do nome e a vida escrita enquanto tragédia de folhetim (1955 – 2001)
Autor(es): VIEIRA, Kyara Maria de Almeida
Palavras-chave: História;; Cassandra Rios; Censura; Tragédia
Data do documento: 25-Fev-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Este trabalho tem como inspiração a escritora paulistana Cassandra Rios (1932-2002), e as ressonâncias provocadas por sua obra, que constam de mais de cinquenta livros, sendo a maioria romances, muitos deles censurados em décadas distintas do século XX. Tomando como referência temporal os anos entre 1955-2001, respectivamente anos da primeira e da última aparição do nome de Cassandra Rios, enquanto viva, na impressa escrita, o objetivo da tese é problematizar as condições históricas que possibilitaram a emergência do nome autoral de Cassandra Rios e a inscrição de sua vida enquanto uma tragédia de folhetim. Usando como metáfora a composição do enredo da tragédia grega, que caracteriza-se pela mudança de sorte do herói realizada através da peripécia (peripetéia), do reconhecimento (anagnórisis), e da catástrofe (sparagmós), de forma mais específica, no primeiro capítulo discuto a questão da força do nome e como o nome Cassandra Rios passou a constituir um caleidoscópio de imagens, nem sempre congruentes, nem sempre díspares, possibilitando a existência de seu nome autoral; no segundo capítulo, discuto como as escritas de Cassandra Rios constroem um “eu” trágico a partir da relação entre a autora, sua arte de escrever e os dispositivos da sexualidade; no terceiro capítulo, analiso as narrativas da autora que tratam das posturas assumidas por sua família e pelo aparato da censura ditatorial (1964-1985) diante o seu sucesso literário, além das narrativas sobre o câncer que a atingira, enquanto experiências do limite que serão convocadas nos discursos de Cassandra Rios para que esta produzisse uma inscrição de sua vida enquanto uma peça trágica. Quanto às fontes, procurei analisar os discursos contidos nas duas autobiografias escritas por Cassandra Rios, “Censura, minha luta meu amor-1977” e “Mezzamaro, Flores e Cassis: o pecado de Cassandra- 2000”; como também as entrevistas concedidas a vários jornais e revistas, e matérias que veicularam informações sobre a autora e sua obra. Assim, essa tese defende que se o nome de Cassandra Rios passou a operar enquanto força autoral, não foi apenas por ter sido acessada por milhares de leitores ou porque escrevia sobre temáticas eróticas de forma folhetinesca. Mas, também porque a autora se embrenhou em construir seu próprio nome, e por rasurar alguns dos códigos morais vigentes no século XX, entrou em contato com defensores desses códigos, no espaço familiar, estatal, jurídico, midiático, literário, que também puseram seu nome em circulação. Ora se distanciando, ora se aproximando dos significados que lhes foram atribuídos, enquanto tática, narrou a si mesma com a dramaticidade com que produzia seus romances, na construção de sua vida enquanto uma tragédia de folhetim.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11869
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Kyara Maria de Almeida.pdf1,79 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons