Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11862
Título: Efeito das perturbações antrópicas sobre populações de Euphorbiaceae em áreas de Caatinga, Nordeste do Brasil
Autor(es): Pereira, Kátia Fernanda Rito
Palavras-chave: Caatinga; Euphorbiaceae; distúrbios crônicos; uso de terra; homogeneização biótica
Data do documento: 15-Dez-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Distúrbios antrópicos crônicos tem implicado em ameaças reais à biodiversidade das biotas tropicais, mas seus impactos tanto no nível de comunidade quanto de ecossistema permanecem negligenciados. Este estudo foi realizado em uma área de 152 km2 de Caatinga no nordeste do Brasil no intuito de investigar como espécies de Euphobiaceae e assembléias de plantas em florestas tropicais secas respondem às perturbações antrópicas crônicas. Foram amostrados todos indivíduos adultos de espécies de plantas lenhosas em 26 parcelas espacialmente independentes de 0,06ha. Todas estas parcelas estavam expostas, em diferentes níveis, às perturbações antrópicas crônicas. Euphorbiaceae representou 78.9% de todas as plantas amostradas e 21.5 % de todas as espécies, com algumas espécies alcançando 238 indivíduos por 0,06ha ou 92% de todas as plantas amostradas. Na escala da parcela, a abundância total e abundância relativa de Euphorbiaceae não foi correlacionada com o nível de perturbação, mas a riqueza total e relativa da família foi maior em parcelas com níveis muito altos de perturbação. Dentre as espécies mais frequentes, houve um incremento de seis vezes na abundância de Jatropha mollissima ao longo dos níveis de perturbação, em grande parte respondendo ao aumento na similaridade entre parcelas intensamente perturbadas. Por fim, a análise de espécies indicadoras ressaltou sete espécies para três grupos de intensidade de distúrbio: baixo, moderado e muito alto. Na Caatinga as perturbações antrópicas crônicas podem resultar em homogeneização da comunidade de plantas, com assembleias dominadas por Euphorbiaceae. Tal organização de comunidade é possível devido a persistência (pelo menos ao nível local) e proliferação de apenas um grupo de espécies à medida que o distúrbio aumenta.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11862
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Biologia Vegetal

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Kátia Fernanda Rito Pereira.pdf704,3 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons