Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11803
Título: Relações filogenéticas e evolução cromossômica em espécies do gênero Oxalis (Oxalidaceae)
Autor(es): Scvortzoff, Magdalena Vaio
Data do documento: Out-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: O gênero Oxalis L. está constituído por aproximadamente 500 espécies, com dois principais centros de distribuição, América do Sul e África do Sul. As espécies de Oxalis apresentam uma alta variação morfológica e de forma de vida desde anuais ou perenes, e de hábito arbóreo, geófitico à arbustivo. Com base nas características morfológicas foram definidos quatro subgêneros: Trifidus, Monoxalis, Oxalis e Thamnoxys. Estes dois últimos foram por sua vez subdivididos em 29 e nove seções, respectivamente. Análises moleculares recentes tem mostrado que várias dessas seções não constituem grupos naturais. O uso simultâneo de dados cariotípicos e de conteúdo de DNA nuclear em combinação com as análises filogenéticas moleculares têm permitido entender melhor a evolução de diferentes linhagens, eventos de hibridização e poliploidia, e auxiliar no entendimento da evolução cromossômica dentro de determinados grupos de plantas. Oxalis apresenta uma grande variação citogenética com extensa variação disploide n = 5, 6, 7, 8, 9 e 11, e diversos poliploides. Os números cromossômicos básicos x = 6 ou 7 foram sugeridos como possíveis números ancestrais para o gênero. O presente trabalho teve como objetivo analisar as relações filogenéticas e evolução cromossômica em espécies de três seções taxonômicas (Corniculatae, Ripariae e Articulatae) do subgênero Oxalis e entre seis seções do subgênero Thamnoxys. Para isto, foram construídas filogenias moleculares de regiões de DNA plastidial e a região nuclear, ITS. Paralelamente, foram realizadas análises citogenéticas para determinar o número e morfologia cromossômica, os padrões de distribuição da heterocromatina e o conteúdo de DNA nas mesmas espécies. Os resultados indicam que as três seções analisadas do subgênero Oxalis não formam grupos naturais precisando de futuras revisões taxonômicas. Nesse subgênero, as características citogenéticas variam de acordo com os clados obtidos na análise filogenética. Os dados cromossômicos sugerem a ocorrência de uma complexa evolução cariológica com recorrência do mesmo número cromossômico em clados e subgêneros diferentes e grande diversidade na morfologia e tamanho cromossômico. A variação do conteúdo de DNA nuclear observada entre 2C = 0,58 a 41,14 pg, representa uma das maiores variações intragenéricas conhecidas para angiospermas. A ampla variação no conteúdo de DNA nuclear, associada com o restante da variação cariotípica, parece estar associada com a elevada diversidade taxonômica do grupo.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11803
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Biologia Vegetal

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese de doutorado M Vaio.pdf4,3 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons