Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11796
Título: Avaliação do BIOLARVICIDA SPINOSAD sobre a atratividade de Aedes aegypti (DIPTERA: CULICIDAE), viabilidade dos ovos e persistência em armadilhas de oviposição
Autor(es): Maria de Menezes Torres, Cristina
Palavras-chave: Saccharopolyspora spinosa; Controle biológico; Mosquito
Data do documento: 18-Fev-2014
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Resumo: Estudos de campo foram realizados para avaliar o desempenho do larvicida spinosad (Natular® DT) nas formulações líquida (6,3nL/L e 18,9nL/L) e em pastilha (100mg/L, 50mg/L e 25mg/L), como alternativa para o uso em ovitrampas. Além disso, foram avaliados a influência do spinosad sobre a escolha da armadilha como sítio de oviposição e o potencial de inibição de eclosão de larvas em ovos expostos ao spinosad pastilha. O biolarvicida Bacillus thuringiensis israelensis (Bti) na concentração de 4mg/L (VectoBacWG®) foi usado como parâmetro para comparação da ação larvicida e a persistência do spinosad. A presença de larvas e pupas foi analisada semanalmente em 210 ovitrampas instaladas no campus da UFPE. A positividade e a densidade de ovos postos nas ovitrampas foram consideradas para avaliar a influência do spinosad sobre a escolha da armadilha como sítio de oviposição. O percentual de ovos intactos e murchos foi considerado na avaliação da taxa de inibição de eclosão. O período de controle total de larvas sofreu influencia da concentração e exposição das ovitrampas ao sol, tendo sido mais prolongado (17 semanas) na formulação pastilha em armadilhas sombreadas. O registro de larvas vivas nas ovitrampas contendo a formulação líquida do spinosad ocorreu desde a primeira semana de tratamento. A atividade de controle do Bti em condições similares foi de duas semanas. Não foi observado efeito repelente do spinosad em nenhuma das condições testadas nesse trabalho, com percentual de colonização >90% das ovitrampas. A eclosão das larvas em ovitrampas foi elevada (>70%) mesmo nas altas concentrações testadas da formulação pastilha. Esses dados proveem evidências de que a formulação pastilha apresenta uma elevada atividade larvicida e melhor persistência sob condições adversas de exposição solar, quando comparada com a formulação líquida e com o Bti. Além disso, o produto não influencia na escolha da ovitrampa pelas fêmeas de Aedes sp nem na eclosão das larvas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11796
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Biologia Animal

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DISSERTAÇÃO Cristina Maria Torres.pdf1,49 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons