Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11142
Título: Caracterização da microbiota bacteriana de Biomphalaria glabrata (Say, 1818)(Mollusca: Gastropoda)
Autor(es): SILVA, Tatiana Maria da
Palavras-chave: Biomphalaria glabrata; Microbiota; Antimicrobianos
Data do documento: 29-Fev-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: SILVA, Tatiana Maria da. Caracterização da microbiota bacteriana de Biomphalaria glabrata (Say,1818) (Mollusca: Gastropoda). Recife, 2012. 53 f. : Dissertação (mestrado) - UFPE, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-graduação em Medicina Tropical, 2012.
Resumo: Devido a grande importância da microbiota no desenvolvimento de parasitas nos invertebrados, muitos estudos vêm sendo desenvolvidos para o melhor entendimento desta interação. Desta forma, a associação entre microrganismos e seus hospedeiros invertebrados, vetores de doenças, está se tornando cada vez mais evidente. Com base nisto, o objetivo do presente estudo foi caracterizar a microbiota bacteriana de caramujos da espécie Biomphalaria glabrata, principal hospedeiro intermediário do Schistosoma mansoni. Para isto, um grupo de caramujos selvagens, provenientes da Vila Sotave em Jaboatão dos Guararapes, PE/Brasil, e um grupo não selvagem, mantido em laboratório, tiveram a sua microbiota caracterizada através da: técnica de coloração de Gram, análise morfológica das colônias em ágar sangue e em ágar Eosina Azul de Metileno, sendo a caracterização confirmada pelo sistema de identificação bacteriana VITEK 2. Foram realizados testes de susceptibilidade aos antimicrobianos, com base no método de difusão em disco. Os antimicrobianos empregados pertencem à classe de ß-lactâmicos, aminoglicosídeos, quinolonas, inibidores da via folato, fenicóis e tetraciclinas. Os resultados mostraram que todas as bactérias foram gram negativas, incluindo 11 gêneros bacterianos, sendo Enterobacter cloacae a espécie predominante em caramujos selvagens, enquanto que, Citrobacter freundii e Aeromonas sobria predominaram no grupo não selvagem. Quanto à susceptibilidade aos antimicrobianos, todos os isolados mostraram-se resistentes ao ß-lactâmico amoxicilina e sensíveis ao meropenem. A partir destes resultados, novas estratégias de controle biológico da esquistossomose podem ser propostas.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11142
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_Tatiana_Silva_SEM_ASSINATURA_04_DE_MAIO_DE_2012.pdf826 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons