Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1105
Título: Estresse ocupacional de professores: seus indicadores, suas fontes e as estratégias utilizadas para combatê-lo Um estudo de caso na Universidade Federal de Pernambuco
Autor(es): Gomes Gueiros, Manuela
Palavras-chave: Comportamento organizacional Universidades públicas brasileiras; Corpo docente Estresse ocupacional Modelo Dinâmico de Estresse Ocupacional; Aspectos analisados Satisfação, fatores de pressão, estratégias de combate
Data do documento: 2005
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Gomes Gueiros, Manuela; Maria Barbosa de Oliveira, Lúcia. Estresse ocupacional de professores: seus indicadores, suas fontes e as estratégias utilizadas para combatê-lo Um estudo de caso na Universidade Federal de Pernambuco. 2005. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Resumo: As universidades públicas possuem uma multiplicidade de fins e uma variedade de produtos tal que torna difícil exigir que atendam a todos com a mesma eficácia. Envolvidos nessa complexa teia de tarefas, exigências e reivindicações estão os professores universitários, responsáveis pela consecução dos objetivos das instituições que representam. Fazendo referência a este quadro de dificuldades, esta pesquisa teve como objetivo geral verificar se há estresse vivenciado pelos professores da Universidade Federal de Pernambuco e, sendo constatado, em que grau ele se apresenta, conforme o Modelo Dinâmico de Estresse Ocupacional. A pesquisa foi do tipo analítico-descritiva e realizada mediante a aplicação de questionários junto a uma amostra de professores, distribuída proporcionalmente entre os departamentos. A análise de dados revelou que os níveis de satisfação com o trabalho em si e com a organização são discrepantes, constituem-se em opostos. Os professores apresentam boa saúde mental e física, tendendo, todavia, a relatar momentos de sobrecarga. Prevaleceu como tipo de personalidade o híbrido AB, tendendo para A. Isto indica que sua vida é acelerada, contudo, não se reconhecem como pessoas competitivas. As fontes de pressão no trabalho que se mostraram mais intensas estão relacionadas às categorias: inter-relacionamentos, responsabilidade pessoal, ambiente e clima organizacional, papel gerencial, carga de trabalho, equilíbrio entre vida pessoal e profissional, e falta de possibilidade de crescimento na carreira. As estratégias de combate ao estresse mais utilizadas são o planejamento, a expansão de interesses e atividades fora do trabalho, definição de prioridades, utilização de hobbies e passatempos e resolução objetiva de problemas. De maneira geral, portanto, o estresse percebido pelos professores não se apresenta de forma intensa a ponto de comprometer sua vida profissional
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/1105
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Administração

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1499_1.pdf721,73 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.