Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10640
Título: Remoção de Fitoplâncton de Lagoas de Estabilização Em Filtros de Pedra de Fluxo Horizontal
Autor(es): Martins, Larissa Ribeiro
Palavras-chave: Polimento de Efluentes; Filtros de Pedra; Remoção de Fitoplâncton
Data do documento: 26-Nov-2012
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: MARTINS, Larissa Ribeiro. Remoção de fitoplâncton de lagoas de estabilização em filtros de pedra de fluxo horizontal. Recife, 2012. 88 f. Dissertação (mestrado) - UFPE, Centro de Tecnologia e Geociências, Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, 2012.
Resumo: As lagoas de estabilização são amplamente utilizadas para o tratamento de esgotos sanitários devido ao seu baixo custo e simplicidade de implantação e operação. Entretanto, essa tecnologia passou a ter seu uso questionado em função do lançamento no corpo receptor de efluente contendo sólidos em suspensão, principalmente fitoplâncton, que pode conter gêneros de cianobactérias potencialmente produtoras de toxinas, com os consequentes problemas para saúde pública. Considerando as significativas vantagens das lagoas de estabilização, torna-se desejável o desenvolvimento de um pós-tratamento para seu efluente para reduzir esse inconveniente. Dentre as tecnologias desenvolvidas para o polimento de lagoas de estabilização, os filtros de pedra se apresentam como um método promissor, pois retém o fitoplâncton que é biologicamente degradado. Nesse sentido, no presente trabalho avaliou-se a remoção de fitoplâncton em filtros de pedra, em escala real. Foi investigado um sistema composto por quatro filtros de pedra, com diferentes características e vazões, utilizadas para o polimento de uma lagoa de estabilização. Os filtros de pedra se apresentaram anóxicos durante todo o período de estudo, com temperatura média variando entre 28 oC e 30 oC. Promoveram uma importante remoção adicional de matéria orgânica, DQO e DBO total, com valores médios de 70 mg/L e 23 mg/L, respectivamente. A concentração média de SST, afluente e efluente, foram de 65 e 27 mg/L, enquanto que para a turbidez foram de 95 e 7 NTU, apresentando resultados amplamente satisfatórios. Os resultados revelam que a de remoção média do fitoplâncton total foi de 99%, e a densidade média de cianobactérias efluentes foi de 6594 cel/mL, ficando muito abaixo dos limites preconizados pela resolução CONAMA No 357/05 para águas classes I (20.000 cel/mL), II (50.000 cel/ml), e III (100.000 cel/mL). O bom desempenho dos filtros de pedra comprova a sua viabilidade de aplicação para a remoção de fitoplâncton de lagoas de estabilização.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10640
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Engenharia Civil

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação_PDF_Larissa Ribeiro Martins.pdf2,14 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons