Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10532
Título: Hidrogeoquímica das águas subterrâneas da Bacia Sedimentar Potiguar/RN e caracterização da salinização do aquífero cárstico Jandaíra
Autor(es): STEIN, Paula
Palavras-chave: Aquífero cárstico; Salinização; Semiárido; Intrusão marinha
Data do documento: 5-Ago-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: STEIN, Paula. Hidrogeoquímica das águas subterrâneas da bacia sedimentar Potiguar/RN e caracterização da salinização do aquífero cárstico Jandaíra. Recife, 2013. 204 f. Tese (doutorado) - UFPE, Centro de Tecnologia e Geociências, Programa de Pós-graduação em Geociências, 2013.
Resumo: Os levantamentos executados numa área de aproximadamente 800 km2, no âmbito da Bacia Sedimentar Potiguar, evidenciaram que nesse setor o aquífero cárstico Jandaíra, de natureza livre, é a principal unidade aquífera rasa, constituindo assim, o objeto principal desse estudo. O aquífero Barreiras, estratigraficamente superior ao Jandaíra, poroso granular e essencialmente livre, tem espessura litológica e saturada descontínua, funcionando predominantemente como uma unidade de transferência e recarga do aquífero Jandaíra subjacente. A superfície potenciométrica do aquífero Jandaíra apresenta comportamento uniforme e contínuo, refletindo a ocorrência de uma rede de condutos e cavidades interligadas, impondo condições que definem um padrão regular de escoamento das águas subterrâneas que coincide com a declividade geral do terreno. A caracterização hidrogeoquímica do aquífero Jandaíra evidenciou mudanças significativas na concentração iônica dessas águas, onde o nível de salinização apresenta relação com os componentes geográficos e climáticos que imperam nesse domínio. Esse cenário permitiu a separação das águas amostradas em dois grupos principais com características distintas, onde a hidroquímica do aquífero Jandaíra é determinada pela combinação de fatores diversos, como: a interações entre a água e a litologia aquífera durante o processo de circulação; a presença de sais na zona insaturada que atingem a zona saturada durante os eventos de recarga e a distância em relação à linha de costa. No Grupo 1 foram agrupadas as águas de salinidade inferior, classificadas como doces a ligeiramente salobras, STD médio de 1116 mg/L e fácies predominantemente bicarbonatada cloretada mista. Além dos processos naturais de interação água-rocha, o quimismo dessas águas se dá em resposta aos mecanismos de concentração cíclica de sais por evaporação, os quais atingem a zona saturada durante os eventos de recarga. No Grupo 2 estão as águas altamente mineralizadas, classificadas como moderadamente salobras a salgadas, STD médio de 6888 mg/L e fácies cloretadas mistas. Além da ocorrência dos mesmos processos referidos para o Grupo 1, destaca-se para o Grupo 2 que a assinatura geoquímica dessas águas pode ser influenciada pela intrusão salina natural. As condições climáticas em domínio semiárido propiciam uma recarga pouco eficiente e, portanto, uma frente de escoamento subterrâneo reduzida e incapaz de evitar o avanço da cunha salina no interior do continente.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10532
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TESE Paula Stein.pdf15,04 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons