Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10530
Título: Avaliação da atividade gastroprotetora da fucana livre e nanoencapsulada em lipossomas
Autor(es): MELO, Audenes de Oliveira
Palavras-chave: Fucana; Sargassum cymosum,; Biomoléculas; Nanotecnologia; Lipossomas; Mucinas; Úlcera gástrica; Úlcera duodenal
Data do documento: 31-Jul-2013
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: MELO, Audenes de Oliveira. Avaliação da atividade gastroprotetora da fucana livre e nanoencapsulada em lipossomas. Vitória de Santo Antão, 2013. 51 f. Dissertação (mestrado) - UFPE, Centro Acadêmico de Vitória, Programa de Pós-graduação em Saúde Humana e Meio Ambiente, 2013.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi encapsular a fucana (Sargassum cymosum), em lipossomas e avaliar a atividade gastroprotetora, tanto na sua forma livre, como encapsulada. Os lipossomas foram obtidos e caracterizados por testes físico-químicos e de estabilidade. A atividade gastroprotetora in vivo foi realizada utilizando ratos Wistar, pré-tratados durante 14 dias com a fucana livre (Fuc), nanoencapsulada (Lipo- Fuc), e com os controles positivo (sem úlcera) e negativo (com úlcera e sem tratamento), por via oral. Após jejum (48 horas), a úlcera foi induzida com ácido acetilsalisílico (200 mg/Kg), o estômago e o duodeno foram removidos para análises histológicas avaliando-se a área com muco, espessura do epitélio glandular e vilosidades intestinais. Os resultados foram analisados pelos testes t-Student e Kruskal-Wallis. Lipossomas contendo fucana foram obtidos apresentando tamanho médio de partícula de 125,9 ± 1,2 nm, com índice de polidispersão 0,39 ± 0,02 e pH 6,89 ± 0,05 e carga positiva, permanecendo estáveis por 30 dias. Em relação à área de muco no estômago, os resultados mostraram que, no grupo pré-tratado com a Fuc, os animais permaneceram com média da área de muco semelhante ao grupo que não foi realizada indução da úlcera (7,5 ± 4,5 μm2 e 9 ± 6,7 μm2, respectivamente). Por outro lado, a fucana encapsulada exibiu uma área (2,6 ± 1,6 μm2) similar ao grupo com úlcera não tratada (3,5 ± μm2), sugerindo que o composto possivelmente não foi liberado a partir das vesículas no estômago, não promovendo, portanto nenhuma ação. No estudo dos danos epiteliais o grupo da Fuc apresentou valores superiores aos demais grupos tratados revelando novamente sua ação gastroprotetora. As análises no duodeno revelaram uma área média de 7,52 ± 2,42 μm2 para um epitélio normal (sem úlcera), 6,00 ± 3,17 μm2 para o epitélio com úlcera sem tratamento, 6,43 ± 1,82 μm2 e 6,62 ± 1,31 μm2 para epitélio com úlcera após tratamento com a fucana livre e encapsulada, respectivamente. Neste local, pode ser observado valor maior para tratamento com a Lipo-Fuc quando comparado ao obtido na Fuc, sugerindo que houve liberação da fucana a partir dos lipossomas, ao contrário do encontrado no estômago. Em relação à análise das vilosidades intestinais a fucana encapsulada exerceu uma atividade citoprotetora com uma extensão média de 395,53 ± 118,64 μm, inferior ao grupo com o composto livre, mas superior ao grupo referente ao controle negativo, o qual apresentou uma área de 314,10 ± 59,71 μm. Os resultados revelaram ação gastroprotetora da fucana (Sargassum cymosum), até então nunca estudada fornecendo subsídios para novas pesquisas utilizando esta molécula.
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/10530
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Saúde Humana e Meio Ambiente

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Audenes Melo.pdf3,22 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons